31/01/09

Sub-19: F.C. Porto vence em Braga, na casa do 2.º classificado e reforça liderança!

«Sub-19: F.C. Porto vence em Braga e reforça liderança

A equipa de sub-19 do F.C. Porto reforçou o comando na Zona Norte no Campeonato Nacional de Juniores, depois de ter vencido no terreno do Sp. Braga, segundo classificado, por 0-2. Os golos azuis e brancos foram apontados por Jorge Chula (2m) e Miguel Galeão (38m).
A equipa de Patrick Greveraars alinhou com Ruca, Paulinho, Roberto, Ramon, Massari, Dias, Jorge Chula, Miguel Galeão, Claro, Josué e Alex. Jogaram ainda Caetano, Ivo Pinto e Sérgio Oliveira.» in site F.C. do Porto.

Hóquei Patins: Porto Santo, SAD 2 vs F.C. do Porto 8 - Líder volta ao normal, vencer e golear!

«Sólido regresso aos triunfos

Foi com uma vitória expressiva, alcançada na deslocação ao recinto do Portosantense, que o F.C. Porto regressou aos triunfos no Nacional da I Divisão. Seis golos de diferença e uma exibição convincente patentearam os argumentos do Heptacampeão e líder isolado do campeonato na partida da 21ª jornada.
Se uma resposta ao duplo percalço dos Dragões era exigida na deslocação a Porto Santo, a formação de Franklim Pais fez questão de a expressar sem equívocos, arrecadando uma goleada que devolve aos êxitos o trajecto azul e branco no campeonato e reafirma a liderança portista na prova.
Três golos de Caio, dois de Reinaldo Ventura e mais três assinados por Jorge Silva, Filipe Santos e Ricardo Figueira, respectivamente, deram expressão ao domínio azul e branco no confronto com a equipa insular, que se sentiu desde o apito inicial e ao longo de toda a partida.
Com esta vitória, os Dragões somam agora 49 pontos, liderando de forma isolada o Nacional da I Divisão. Na próxima ronda da prova, o F.C. Porto volta a jogar em casa, recebendo a formação do Oeiras, em encontro agendado para terça-feira, às 21 horas, num Pavilhão Municipal de Fânzeres com entrada livre.» in site F.C. do Porto.

Ainda o Nevão de 9 de janeiro de 2009 - O Henrique do 12 PTGEI captou imagens de S.º Brás de Telões, Amarante, no dia do Grande Nevão!

Um dia que ficará na memória destes meus alunos do 12 PTGEI (1.ª Turma do Curso de Profissional de Gestão de Equipamentos Informáticos, da Escola Secundária/3 de Amarante), o dia do Grande Nevão, 9 de Janeiro de 2009!















O lugar de S.º Brás da freguesia de Telões em Amarante, também não escapou ao Grande Nevão, aqui captado pela objectiva do meu aluno que vive lá, Henrique Sampaio, também do 12 PTGEI!

Apito Final - Tribunal Constitucional considera escutas telefónicas ilegais; fez-se JUSTIÇA!



















«Apito Final - Tribunal Constitucional considera escutas telefónicas ilegais
30 de Janeiro de 2009, 19:49

Porto, 30 Jan (Lusa) - O Tribunal Constitucional (TC) rejeitou o recurso do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e considerou definitivamente ilegal a utilização das escutas telefónicas do Apito Dourado no âmbito do processo de corrupção desportiva Apito Final.
Segundo noticiou hoje o Porto Canal, estação de televisão regional do Norte, o TC validou a decisão do Supremo Tribunal Administrativo (STA) de 03 de Novembro de 2008, que considerou as escutas telefónicas ilegais, possibilitando a João Bartolomeu, presidente da União de Leiria, recorrer do castigo que lhe foi aplicado pela Comissão Disciplinar (CD) da Liga.
João Bartolomeu foi punido, em Maio de 2008, com um ano de suspensão e multa de quatro mil euros no âmbito do processo Apito Final, em que União de Leiria e o seu presidente foram acusados de corrupção, na forma tentada, no jogo com o Belenenses da época 2003/04. Da decisão, resultou ainda uma multa de 40 mil euros à SAD.
Com esta decisão do TC - de que já não há recurso -, o FC Porto e o seu presidente Pinto da Costa, a quem foram aplicados pela justiça desportiva a perda de seis pontos no campeonato de 2007/08 e uma suspensão de dois anos ao dirigente, podem solicitar a anulação dos castigos.
Do mesmo modo, o Boavista, que desceu à Liga de Honra, decisão tomada também com base nas escutas telefónicas, poderá igualmente apelar.
Contactada pela Agência Lusa, fonte ligada ao processo confirmou que no despacho de quarta-feira (28 de Janeiro), o TC "decidiu não tomar conhecimento do objectivo do recurso interposto pela FPF, por constatar que o Supremo Tribunal Administrativo não recusou a aplicaçao de qualquer norma constante de acto legislativo".
De acordo com o acordão do Supremo Tribunal Admnistrativo de 2008, a FPF foi intimada a proceder à devolução das escutas telefónicas a João Bartolomeu.
À FPF resta solicitar uma conferência de juizes do próprio TC para se pronunciar sobre este despacho. RBA/JAM. Lusa/fim
-----------------------------------------------------------------------
A Justiça demorou, mas chegou! Dedicado aos Senhores Madaíl, Jorge Costa, Platini e Jornal "A Bola"! Siga agora o Apito Encarnado!

30/01/09

Lúcia Moniz - Mais uma Grande Voz Feminina Portuguesa!




Lúcia Moniz - "Desfolhada Portuguesa" - (Num país chamado Simone)

Simone de Oliveira - "Desfolhada Portuguesa" - (Festival RTP 1969)


Simone de Oliveira - "Desfolhada Portuguesa" - (Eurovisão 1969)

Lucia Moniz - "O meu coração não tem cor" - (Eurovisão 1996)

Lúcia Moniz - "Dizer que Não"

Lúcia Moniz & Nuno Bettencourt - "Try Again"


Lúcia Moniz & Paulo Gonzo - "Leve Beijo Triste"

Lúcia Moniz - "Sou como a Noite"


Lúcia Moniz - "Leva-me pra casa"

Lúcia Moniz - "A Wish"

LÚCIA MONIZ - "ASAS NA MÃO"

Lúcia Moniz - "Chuva"

Rui Veloso - "Hold me in Decent Way" - (Com Lucia Moniz)

LÚCIA MONIZ - "Silent Night"

Lúcia Moniz - "Canção de embalar" - (Feira de Sant'Iago)

«Lúcia Moniz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lúcia Moniz (n. Lisboa, 9 de Setembro de 1976) é uma cantora e actriz portuguesa.

Índice

[esconder]


[editar] Biografia

Lúcia Moniz nasceu a 9 de Setembro de 1976, em Lisboa e, por ser filha de dois músicos, Carlos Alberto Moniz (famoso maestro, musico e comunicador açoriano) e Maria do Amparo, desde muito cedo esteve ligada à música. Foi logo aos seis anos de idade que integrou a Academia de Música de Santa Cecília, inciando, aos quatorze, os seus estudos de piano e violino.
Lúcia era ainda bastante desconhecida em Portugal quando, aos 19 anos, participou no Festival RTP da Canção com o tema "O Meu Coração Não Tem Cor" chegando, inesperadamente, à final, ocorrida a 7 de Março de 1996. Venceu o concurso, conquistando assim a representação portuguesa no Festival Eurovisão da Canção onde alcançou a melhor classificação até à actualidade (2008), o 6º lugar. Esta canção, infelizmente não foi lançada para o público, sendo apenas lançados alguns exemplares para entregar na Eurovisão. Aliás esta canção, não surge em nenhum dos álbuns publicados pela cantora.
Somente em 1999, porém, saiu o seu primeiro registo discográfico, intitulado Magnólia, por ser o nome da localidade estadunidense onde foi gravado, o qual incluiu ritmadas canções pop de estilo completamente diferente de sua interpretação no Festival Eurovisão da Canção, em português e em inglês. Magnólia estabeleceu Lúcia como um nome dos mais promissores da música portuguesa, a saltar rapidamente para o topo das tabelas de vendas, rendendo-lhe disco de Ouro.
2002 foi o ano da consolidação da carreira da cantora, que então regressou com novo álbum, chamado 67, composto por dez temas, eminentemente rock, escritos por Lúcia Moniz em parceria com autores como Jorge Palma, João Gil, Pedro Campos e também Maria do Amparo (mãe da cantora).
Em fins de 2003, após se devotar à divulgação do segundo álbum, Lúcia estrelou a comédia romântica Love Actually ("O Amor Acontece", em Portugal e "Simplesmente Amor", no Brasil), na qual também figuram os talentos de Hugh Grant, Liam Neeson, Rowan Atkinson, Laura Linney, Emma Thompson, Alan Rickman, Keira Knightley, Bill Nighy, Martine McClutcheon, Andrew Licoln, Billy Bob Thornton, Joanna Page, Kris Marshall, Martin Freeman, Thomas Sangster, o galã brasileiro Rodrigo Santoro e Colin Firth como Jamie, com quem a personagem de Lúcia, Aurélia, faz par num estranho relacionamento baseado na comunicação além das línguas, pois Aurélia só fala o português enquanto Jamie não. A longa-metragem foi dirigida por Richard Curtis, cujos os trabalhos anteriores incluem de entre outros os filmes: Mr Bean, Quatro Casamentos e um Funeral, Notting Hill e Diário de Bridget Jones.
Conseguinte ao enorme sucesso mundial do filme, a actriz e música descobriu-se grávida e decidiu dar um tempo à sua vida pessoal enquanto preparava composições dum terceiro disco, recolhendo-se à Ilha Terceira, nos Açores, para dar à luz Júlia Moniz.
Em 2005, finalmente saiu o seu terceiro álbum, que tem um tom mais calmo e doce do que os anteriores, e chama-se Leva-me pra Casa.
Em 2006 no musical "Música no Coração" de Filipe La Féria, estreado em 2006, as actrizes/cantoras Anabela e Lúcia Moniz interpretam, alternadamente, o papel da personagem principal, Maria.
Em 2008 começou a namorar com o, também actor, Bernardo Mendonça.

[editar] Televisão


[editar] Discografia

  • 2008 - "A Wish... keep fighting" - dueto com Dr1ve
  • 2005 - Leva-me pra casa
  • 2002 - 67
  • 1999 - Magnólia

[editar] Cinema


[editar] Ligações externas

"Dizer Que Não
Lúcia Moniz

Composição: Teresa Smith

Diz-lhe que não, diz-lhe que tudo acabou
Que é sempre mais feliz aquele que mais amou
Chega de juras de amor
Promessas de amor eterno
Para algum tempo depois
Voltarmos ao mesmo inferno
Por vezes é mesmo assim
Não há outra solução
Doi muito dizer que sim
Doi menos dizer que não
Diz-lhe que não, diz-lhe que tudo acabou
Que é sempre mais feliz aquele que mais amou
Diz-lhe que chega de ouvir as frases habituais
Chamam-me a maior paixão da vida, coisas banais
Maior ou não pouco importa
Ser a única isso sim
Diz-lhe que não me enganou
Enganou-se ele por mim
Diz-lhe que não, está na hora de acabar
Mas por favor não lhe digas que ainda me viste chorar"

Museu Rural de Gondar - Mais uma Grande Manifestação de Excelência da Freguesia de Gondar em Amarante!

















«Museu Rural de Gondar

O Museu Rural de Gondar deverá ser inaugurado até final do mês de Novembro, quando deverão estar disponíveis todos os seus espaços e concluídos os arranjos exteriores. Aquele equipamento resulta da recuperação de um lagar de azeite da Quinta do Encontro, na sequência de uma candidatura da Câmara de Amarante ao Programa Leader. A recuperação do edifício custou cerca de 125 000,00 euros.
O Museu de Gondar, com uma área de exposição de cerca de 400 metros quadrados e cuja gestão será da Junta de Gondar, incluirá arte sacra, peças de barro preto e utensílios e artefactos ligados às profissões e actividades rurais, pretendendo demonstrar, de forma apelativa a história da região, em termos agrícolas, formas de vida e técnicas de trabalho. O seu espólio começou a ser recolhido há vários anos, através de exposições etnográficas realizadas na freguesia, havendo peças que foram doadas e outras que ficaram à guarda do museu. Muitas delas tiveram que ser restauradas.
Aquele equipamento deverá funcionar de forma integrada com o Centro Interpretativo do Marão, prevendo-se a sua inclusão nos roteiros dos visitantes que procuram a serra e a região para as suas viagens de lazer. Públicos preferenciais serão, também, os alunos das escolas da região.
Para além da mostra permanente, prevê-se que o museu promova actividades de animação e eventos ligados ao calendário agrícola, como as vindimas e as desfolhadas, bem como acções sobre gastronomia tradicional.
A inauguração, que se prevê ocorra em finais de Novembro, deverá contar com uma feira medieval e duas conferências sobre temáticas rurais.» in http://www.amarante-digital.com/noticias.php?op=ler&id=40

Museu Rural de Gondar, em Amarante, na TV!

E breve teremos mais uma manifestação de grande vitalidade desta Freguesia de Gondar, com a realização do seu magnífico Cortejo de Carnaval!

29/01/09

Educação em Portugal - "O Senhor Primeiro Ministro quanto cita a OCDE, devia dizer tudo... mormente, a Verdade!"
































«A OCDE DESMENTE O MINISTÉRIO

O que o Ministério sabe mas esconde cobardemente, de forma a virar os portugueses menos esclarecidos contra os que trabalham dia a dia para dar um futuro melhor aos filhos dos outros.

'Os PROFESSORES em Portugal não são assim tão maus...'

Consulte a última versão (2006) do Education at a Glance, publicado pela OCDE, em http://www.oecd.org/dataoecd/44/35/37376068.pdf.

Se for à página 58, verá desmontada a convicção generalizada de que os professores portugueses passam pouco tempo na escola e que no estrangeiro não é assim.
É apresentado, no estudo, o tempo de permanência na escola, onde os professores portugueses estão em 14º lugar (em 28 países), com tempos de permanência superiores aos japoneses, húngaros, coreanos, espanhóis, gregos, italianos, finlandeses, austríacos, franceses, dinamarqueses, luxamburgueses, checos, islandeses e noruegueses!

No mesmo documento de 2006 poderá verificar, na página 56, que os professores portugueses estão em 21º lugar (em 31 países) quanto a salários!
Na página 32 poderá verificar que, quanto a investimento na educação em relação ao PIB, estamos num modesto 19º lugar (em 31 países) e que estamos em 23º lugar (em 31 países) quanto ao investimento por aluno.

E isto, o M.E. não manda publicar...
Não tem problema. Já estamos habituados a fazer todos os serviços.» in PROMOVA.

O Caso Freeport assume uma Dimensão Internacional muito relevante!




























Já sabemos que o Engenheiro vai começar a chamar caluniosos aos Polícias Ingleses... no seu estilo arrogante acha que consegue abafar tudo!

Taça de Portugal: F.C. do Porto 1 vs Leixões S.C. 0 - Dragões nas Meias Finais da Taça de Portugal!










«À frente na Liga, em frente na Taça

Um golo, que mal chega para ilustrar a produção portista num encontro tantas vezes disputado a ritmos acelerados, foi suficiente para assegurar a presença nas meias-finais. Marcou Mariano, numa irrepreensível execução atacante, que mantém o F.C. Porto na Taça de Portugal, lançando-o para a fase decisiva da competição. Caso verdadeiramente singular, o Dragão mantém-se em quatro frentes competitivas e bem colocado em todas elas. Na Liga é líder.
Quase não foram precisos ensaios, incursões preparatórias para testar a robustez da resistência. Em menos de cinco minutos e no fim de um exemplo modelar de jogo ofensivo, rápido e delicado, especialmente simples e, paradoxalmente, arriscado, pela precisão inerente a cada gesto, o F.C. Porto compôs a vantagem.Mariano emergia entre a elaboração colectiva na condição de intérprete principal. Não apenas pela autoria do golo ou pela exactidão com que tabelou com Lucho, mas também pela celeridade com que completou um cruzamento que ele próprio executara, ao qual Lisandro, perturbado pela oposição de um adversário, não conseguira dar a direcção desejada.
O Leixões, a quem a ideia do prolongamento não desagradava de todo, entrava no jogo prematuramente, mais cedo do que planeara, acrescentando uma variável com que a partida mal travara conhecimento até então. Num misto que não deixou perceber onde terminava o mérito e começava a concessão, a resposta matosinhense foi inconsequente, nula de aproveitamento, sem carga intimidatória, praticamente sem ameaça.A investida precoce a que a estratégia leixonense fora obrigada teve, no entanto, o dom de enriquecer o jogo, abrilhantando-o, somando cambiantes a uma trama que mantinha o Dragão na pele de protagonista, mais hábil, mais criativo, mais temível a cada vez que redireccionava o seu jogo no sentido da baliza adversária, onde só Beto era capaz de alimentar, com grandes defesas, pequenas dúvidas sobre o desfecho, que Lucho, Hulk, Lisandro e Bruno Alves estiveram a um pequeno nada de sentenciar.

FICHA DE JOGO
Taça de Portugal, quartos-de-final
28 de Janeiro de 2009
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 17.611 espectadores
Árbitro: João Ferreira (Setúbal)
Assistentes: Luís Ramos e Rodrigo Pereira
4º Árbitro: Nuno Campos

F.C. PORTO:
Nuno; Fucile, Stepanov, Bruno Alves e Benítez; Lucho «cap», Raul Meireles e Guarin; Mariano, Hulk e Lisandro
Substituições: Hulk por Rodríguez (62m), Mariano por Tomás Costa (74m)
Não utilizados: Ventura, Pedro Emanuel, Rolando, Bolatti e Farías
Treinador: Jesualdo Ferreira

LEIXÕES:
Beto; Laranjeiro, Nuno Silva, Élvis e Angulo; Roberto Sousa, Bruno China «cap» e Hugo Morais; Zé Manel, Chumbinho e Diogo Valente
Substituições: Angulo por Nwoko (65m) e Diogo Valente por Sandro (80m)
Não utilizados: Berger, Ruben, Diogo Luís, Castanheira e Paulo Tavares
Treinador: José Mota
Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Mariano (5m)
Disciplina: cartão amarelo a Roberto Sousa (34m), Raul Meireles (87m), Bruno China (88m) e Sandro (90m)» in site F.C. do Porto.

Golo de Mariano Gonzalez depois de mais um Tango Argentino, triangulação entre Lucho, Lisandro e Mariano Gonzalez!

28/01/09

Educação em Portugal - "Todos Juntos por uma Causa, Nós somos Muitos!"

«Creio que todos os proprietários de blogues devem anunciar o número da conta, para se efectuar a transferência bancária no valor de 10 euros, com vista ao pagamento dos serviços do Garcia Pereira.
Fonte: A Educação do meu umbigo, Paulo Guinote
28 de Janeiro»

NIB: 0018.0003.20167359020.29
IBAN: PT50.0018.0003.20167359020.29

Obrigado Elsa, por teres avisado!
Obrigado ao Professor Paulo Guinote, que com a assessoria jurídica do Dr. Garcia Pereira, prometem uma luta sem tréguas a um Ministério iníquo e arrogante!
Apelo à participação de todos os docentes e cidadãos que querem uma Escola mais Justa e Democrática!

27/01/09

O que será que Mesquita Machado sabe das influências do Benfica nas Arbitragens?









Apito Encarnado!

«Mesquita Machado vai revelar nomes ao MP
17h46m

Mesquita Machado considera “uma vergonha” panorama actual do futebol português. Em conferência de imprensa, o ex-dirigente da Federação Portuguesa de Futebol disse estar disposto a divulgar ao Ministério Público os nomes das pessoas que alegadamente terão influenciado a escolha do árbitro para o Benfica-Braga.
“Tive conhecimento de que teria havido algumas influências externas para a nomeção do árbitro” Paulo Batista para o Benfica-Braga. “Reservo-me para poder contar tudo o que sei quando a Procuradoria Geral da República abrir o inquérito, que creio será aberto, visto que o Sporting de Braga apresentou queixa”, disse Mesquita Machado.
Mesquita Machado justificou a renúncia ao cargo na FPF com o acumular de situações em que o Braga foi prejudicado. “Uma vez ainda se tolera, duas é demais”, disse, aludindo aos alegados erros de arbitragem no Braga-F.C. Porto. “As coincidências e o que se está a passar fazem-nos pensar que algo está mal. Os prejudicados são sempre os mesmos e os beneficiados são sempre os mesmos”, acrescentou.
“Este campeonato é uma mentira. Se houvesse arbitragens correctas, a classificação actual seria diferente”, disse Mesquita Machado. O ex-dirigente da FPF considera “uma vergonha o que se está a passar com o futebol português” e sugere a demissão de Vítor Pereira, o presidente dos árbitros.

Mesquita Machado espera que renúncia sirva para reflexão profunda

Mesquita Machado fez esta terça-feira um apelo para que a sua renúncia à presidência da Mesa da Assembleia Geral da Federação "sirva para uma reflexão profunda no futebol português" e para "que deixe de haver estas autênticas poucas-vergonhas" na arbitragem.
"Espero que esta minha atitude sirva para uma reflexão profunda no futebol português e para que deixe de haver estas autênticas poucas-vergonhas, em que há sempre os mesmos beneficiados e os mesmos prejudicados", adiantou.
Mesquita Machado, que falava durante uma conferência de imprensa realizada no Estádio Municipal de Braga, onde marcaram presença dirigentes do clube "arsenalista" e da Associação de Futebol de Braga, considerou ainda que o Sporting de Braga "é o alvo a abater" por causa da luta mais apertada este ano para o acesso à Liga dos Campeões.
"Acho que não deixa dúvidas a ninguém. O Braga pratica um excelente futebol dentro das quatro linhas e, não porque a bola bateu no poste, mas porque o homem do apito não deixou, está numa posição na tabela classificativa que não reflecte a verdade desportiva", disse.
O também presidente da Câmara Municipal de Braga acrescentou que "se não fossem [os pontos] que lhe foram espoliados, o Braga liderava" o campeonato, considerando, por isso, a prova "uma falsidade".
Na conferência de imprensa desta terça-feira, Mesquita Machado explicou os motivos pelos quais apresentou segunda-feira a renúncia ao cargo federativo e voltou a pedir a demissão do presidente da Comissão de Arbitragem (CA), Vítor Pereira.
O autarca frisou que as últimas declarações de Vítor Pereira, que afirmou que "quem não gosta não vá aos estádios", constituíram "as gotas de água" para dizer "basta".
"É tempo desse senhor deixar de dirigir a arbitragem portuguesa", adiantou Mesquita Machado, considerando as afirmações de Vítor Pereira uma "afronta aos espectadores".
Em relação à sua renúncia, referiu: "Não tenho condições para continuar como presidente da AG da FPF, sob pena de estar a pactuar com esta situação. É com pena e tristeza, mas consciente que este gesto possa acabar com a pouca vergonha".
Quanto às "verdades" que prometeu revelar, disse já ter dito "muitas" e voltou a frisar ter tido "conhecimento de que teria havido influências externas para que o árbitro fosse alterado" no jogo com o Benfica. Prometeu dizer "nomes quando for aberto um inquérito pela Procuradoria-Geral da República", para "não prejudicar essa investigação".
Para o presidente da Liga de clubes, Hermínio Loureiro, também sobraram algumas alfinetadas: "Também tem responsabilidades, é o presidente da Liga. Respeito o seu silêncio, mas eu, no lugar dele, tomaria as medidas necessárias para pôr termo a este tipo de situações".
Mesquita Machado referiu que o hiato de duas semanas para decidir pela renúncia - entre as primeiras críticas depois do jogo com o Benfica, na "Luz", e o jogo de sábado, com o FC Porto - deveu-se porque esperou que fossem tomadas medidas, mas, acrescentou, verificou no jogo seguinte "que a pouca vergonha prosseguiu".» in http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Desporto/Interior.aspx?content_id=1122067

O Poeta Ângelo Ôchoa sempre a inquietar-nos a Alma com a sua Poesia: "A Escada..."





"A Escada...", Poema de Ângelo Ôchoa, dito por Graça Ôchoa!

"A Escada...

Presa ao corrimão da escada,
a bicicleta do sonho;
nela galgo degraus e patins,
milhentos andares."

in
Um Novo Milénio,
Ângelo Ochôa

Desporto Canoagem: Portugal dominou I Taça Ibéria de slalom, ganha por atleta da ADA/Amarante!

«Canoagem Atleta de Amarante, Jorge Ribeiro, em destaque

Portugal dominou a I Taça Ibérica de slalom em canoagem, triunfando em K1 masculino e feminino na prova que decorreu o fim-de-semana em Arcos de Valdevez, Viana do Castelo.
Jorge Ribeiro (AD Amarante) venceu em K1 com 301,15 pontos, enquanto Marta Noval (CN Fafe) se impôs na prova feminina com 436,77. Espanha levou o troféu de C1 com Igor Etxeberria a triunfar com 273,86 pontos.
A competição, que reuniu cerca de 70 competidores portugueses e espanhóis, ficou marcada pela ausência dos campeões nacionais Ivan Silva (K1) e José Carvalho (C1), os primeiros a ficar à porta dos Jogos Olímpicos Pequim2008.
No slalom, cada atleta realiza, em sistema de contra-relógio, um percurso de 20 "portas" suspensas sobre o plano de água, que normalmente é artificial.
O resultado final é obtido pelo somatório dos tempos das duas mangas, mais as penalizações resultantes da transposição incorrecta das portas.
Portugal esteve representado nesta especialidade nos Jogos Olímpicos de Barcelona92, Atlanta96 e Sidnei2000.» in Marão online.

Os Contemporâneos - "Assaltos à Portuguesa!"


Isto até para os assaltantes anda difícil...

26/01/09

Atletismo: Sonja Roman Reforça Equipa do F.C. Porto!

«Sonja Roman reforça F.C. Porto

Dona de um currículo de respeito, que engloba prestações de topo em diferentes competições e a presença nas últimas olimpíadas, Sonja Roman é a mais recente protagonista da equipa de atletismo do F.C. Porto. A atleta eslovena, especialista nos 1500 e 3000 metros, mostra-se «encantada» com o novo clube e promete contribuir para «ganhar tudo» com a camisola portista.
Aos 29 anos, Sonja Roman é um dos nomes mais conceituados do atletismo europeu, apresentando um currículo de alto nível na meia-distância, nas especialidades em que habitualmente compete: 800, 1500 e 3000 metros. A presença nas últimas Olimpíadas, em Pequim, onde correu os 1500 metros, bem como outras prestações relevantes nos Europeus e Mundiais de pista coberta ou na Taça do Mundo, dão conta do trajecto de respeito assinado pela atleta. Proveniente do ADM 98, clube de Maribor, na Eslovénia, Sonja partilha uma curiosa afinidade azul e branca com outro atleta de renome originário dessa localidade, que envergou igualmente a camisola portista. Sonja Roman explica: «Venho da mesma cidade do Zahovic, que brilhou no F.C. Porto, e já conhecia o clube, sobretudo devido ao futebol», conta, antes de revelar as razões que a levaram a optar por assinar pelos Dragões: «Esta é uma boa oportunidade para estar presente em mais competições e o facto de vir para um grande clube pode ajudar-me a alcançar melhores resultados», acrescenta.A ambição de Sonja não se fica pelas prestações individuais, que passam em grande medida pelo Campeonato da Europa de Pista Coberta, que decorre em Turim, Itália, de 6 a 8 de Março, e pelos Campeonatos do Mundo, entre 15 e 23 de Agosto, na cidade alemã de Berlim. A atleta quer também vencer ao serviço do F.C. Porto: «Sei aquilo de que sou capaz e acredito nas minhas capacidades. Sou uma atleta muito confiante e quero ganhar tudo pelo F.C. Porto», afirma. Para o arranque da nova etapa na carreira, as primeiras impressões de Sonja Roman, recolhidas em pleno Estádio do Dragão, não podiam ser mais positivas: «A cidade é muito bonita e o clube é muito grande, com condições que não temos na Eslovénia. Foi uma excelente recepção», adianta a atleta, em conversa com o www.fcporto.pt. Votada como terceira melhor atleta do ano no seu país em 2008, atrás da finalista olímpica do triplo salto Marija Sestak e de Brigita Langerholc, Sonja Roman promete deixar o seu nome inscrito no topo do atletismo nacional, contribuindo dessa forma para o êxito colectivo da modalidade portista.

25/01/09

The Pogues - Dedico a João Aguardela, Ele Adorava esta Fantástica Banda Irlandesa!





The Pogues - "Summer In Siam"



The Pogues and Kirsty MacColl - "Fairytale of New York"

Katie Melua and The Pogues - "Fairytale of New York"


THE POGUES - "Rainy Night In Soho"
~
The Pogues - "Hell's Ditch"

Shane Macgowan & Nick Cave - "What a Wonderful World"

Shane McGowan & The Popes - "Irish Rover"

The Pogues With The Dubliners - "The Irish Rover"


The Pogues - "Dirty Old Town" - (live)

Sinead O'Connor & Shane MacGowan - Haunted - (ZANG 65)

Shane McGowan (Cruachan) - "Spancil Hill"

Christy Moore & Shane MacGowan (Pogues) - "Spancil HILL"

The Pogues - "Fiesta"

The Pogues - "If I Should Fall from Grace with God"

The Pogues and The Band - "Waltzing Mathilda"

Tom Waits - "Waltzing Matilda" - (live 1977)

The Pogues - "White City"

The Pogues - "London Girl"

The Pogues - "Dark Streets of London"

The Pogues - "Greenland Whale Fisheries"

The Pogues - "Down All The Days"

The Pogues - "Bastard Landlord"

The Pogues - "The Broad Majestic Shannon"

The Pogues - "Thousands Are Sailing"

The Pogues - "Rain Street"

The Pogues - "Sally Maclennane"

Shane Macgowan & The Popes - "Paddy Public Enemy No. 1"

Christy Moore & Shane MacGowan(pogues) - "Spancil HILL"


«The Pogues

From Wikipedia, the free encyclopedia

Jump to: navigation, search
The Pogues
Background information
Also known as Pogue Mahone
Origin Kings Cross, London, England
Genre(s) Irish rock
Folk punk
Celtic punk
Celtic fusion
Years active 1982–1996
2001–present
Website www.pogues.com
Members
Shane MacGowan
James Fearnley
Spider Stacy
Jeremy 'Jem' Finer
Andrew Ranken
Phil Chevron
Terry Woods
Darryl Hunt
Former members
Cait O'Riordan
Joe Strummer
Jamie Clarke
Dave Coulter
James McNally
The Pogues are a band of mixed Irish and English background, playing traditional Irish music with influences from punk rock and jazz, formed in 1982 and fronted by Shane MacGowan. They reached international prominence in the 1980s and early 1990s, until MacGowan left the band in 1991 due to drinking problems. They continued with first Joe Strummer and then Spider Stacy on vocals before breaking up in 1996.[1] The band began performing together again in 2001, though they have yet to record new music.
Their politically-tinged music was influenced by The Clash,[2] yet used traditional Irish instruments such as the tin whistle, banjo, cittern, mandolin, accordion, and others. In the later incarnations of the band, after the departure of Shane MacGowan, rock instruments such as the electric guitar would become more prominent. The first of The Pogues' albums, Red Roses for Me, borrows much from the punk tradition of MacGowan's previous band The Nipple Erectors (later dubbed "The Nips").
The Pogues were founded in King's Cross,[3] a district of North London, in 1982 as Pogue Mahone—pogue mahone being the Anglicisation of the Irish póg mo thóin, meaning "kiss my arse".[4]
The band specialised in Irish folk music, often playing with the energy of the punk rock scene in which several of the members had their roots.

Contents

[hide]


[edit] Band history

The roots of The Pogues were formed when MacGowan (vocals), Peter "Spider" Stacy (tin whistle), and Jem Finer (banjo) were together in an occasional band called The Millwall Chainsaws in the late 1970s after MacGowan and Stacy met in the toilets at a Ramones gig at The Roundhouse in 1977.[5] MacGowan was already with The Nips, though when they broke up in 1980 he concentrated a bit more on the still unstructured Millwall Chainsaws, who changed their name to The New Republicans. During this period MacGowan and Finer auditioned unsuccessfully for a license to busk at Covent Garden.[6] In 1982 James Fearnley (accordion) joined MacGowen, Stacy, and Finer, calling the band Pogue Mahone. The new group played their first gig at The Pindar Of Wakefield on 4 October 1982.[7]
They later added Cait O'Riordan (bass) and Andrew Ranken (drums). The band played London pubs and clubs,[8] and released a single, "Dark Streets of London,"[9] on their own, self-named label, gaining a small reputation—especially for their live performances. They came to the attention of the media and Stiff Records when they opened for The Clash on their 1984 tour.[1] Shortening their name to "The Pogues" (partly due to BBC censorship following complaints from Gaelic speakers in Scotland) they released their first album Red Roses for Me on Stiff that October.
The band gained more attention when the UK Channel 4's influential music show The Tube made a video of their version of "Waxie's Dargle" for the show. The performance—featuring Spider Stacy repeatedly smashing himself over the head with a beer tray (in the manner of Bob Blackman's infamous "Mule Train/Mule Tray")—became a favourite with the viewers, but Stiff refused to release it as a single, feeling it was too late for it to help Red Roses for Me (in fact their record label, Stiff, was by then in deep financial trouble). Nevertheless, it remained a favourite request for the show for many years.
Phil Chevron (guitar) joined the group soon after, then with the aid of punk and New Wave forefather Elvis Costello they recorded the follow up, Rum, Sodomy and the Lash, in 1985. The album title is a famous comment falsely attributed to Winston Churchill who was supposedly describing the "true" traditions of the British Royal Navy.[10] The album cover featured The Raft of the Medusa, with the faces of the characters in Théodore Géricault's painting replaced with those of the band members. The album shows the band moving away from covers to original material. Shane MacGowan came into his own as a songwriter with this disc, offering up poetic story-telling, such as "The Sick Bed of Cúchulainn" and "The Old Main Drag", as well as definitive interpretations of Ewan MacColl's "Dirty Old Town" and Eric Bogle's "And the Band Played Waltzing Matilda" (this had previously been covered by Shane's fellow punk contemporaries The Skids in 1981).
The band failed to take advantage of the momentum created by the strong artistic and commercial success of their second album. They first refused to record another album (offering up the four-track EP Poguetry in Motion instead); O'Riordan married Costello and left the band, to be replaced by bassist Darryl Hunt; and they added a multi-instrumentalist in Terry Woods, formerly of Steeleye Span. Looming over the band at this period (as throughout their entire career) was the increasingly erratic behaviour of their vocalist and principal songwriter, Shane MacGowan. Their record label, Stiff Records, went bankrupt soon after the 1987 release of the single "The Irish Rover" (with the Dubliners).

[edit] Success and breakup

The band remained stable enough to record If I Should Fall from Grace with God in 1988 (with its Christmas hit duet with Kirsty MacColl "Fairytale of New York", which was voted "the best Christmas song ever" in VH1 UK polls in 2004) and 1989's Peace and Love.[11] The band was at the peak of its commercial success, with both albums making the top 5 in the UK (numbers 3 and 5 respectively), but MacGowan was increasingly unreliable. He failed to turn up for the opening dates of their 1988 tour of America, and prevented the band from promoting their next album, Hell's Ditch, so in 1991 the band sacked him.[12] Vocal duties were for a time handled by Joe Strummer, before Stacy finally took over permanently. After Strummer's departure, the remaining seven Pogues recorded Waiting for Herb, which contained the band's third and final top twenty single, "Tuesday Morning", which became their best-selling single internationally. Terry Woods and James Fearnley then left the band and were replaced by David Coulter and James McNally respectively. Within months of their departures, ill health forced Phil Chevron to leave the band; he was replaced by his former guitar technician, Jamie Clarke. This line up recorded the band's seventh (and final) studio album, Pogue Mahone. The album was a commercial failure, and, following Jem Finer's decision to leave the band in 1996, the remaining members decided it was time to call it quits.

[edit] Post-breakup

After the Pogues' break-up, the three remaining long-term members (Spider Stacy, Andrew Ranken and Darryl Hunt) started a new band called The Wisemen. The band played mainly new Stacy-penned tracks, though Darryl Hunt also contributed songs, and the band's live set included a few Pogues songs. First Ranken then Hunt left the band, the latter going on to become singer/songwriter in an indie band called Bish, whose self-titled debut album was released in 2001. Ranken has gone on to play with a number of other bands, including hKippers, The Municipal Waterboard and, most recently, The Mysterious Wheels. In addition to The Wisemen (later renamed The Vendettas), Spider Stacy continued to write and record music with various bands, including a short stint with "Spider Stacy's Pogue Mahone", with Stacy fronting Pogues tribute band, Boys from the County Hell. Shane MacGowan founded Shane MacGowan and The Popes in 1992. His autobiography A Drink With Shane MacGowan, co-written with his journalist girlfriend Victoria Mary Clarke, was released in 2001. Jem Finer went into experimental music, playing a big part in a project known as "Longplayer", a piece of music designed to play continuously for 1,000 years without repeating itself. In 2005, Finer released the album Bum Steer with DB Bob (as DM Bob and Country Jem). James Fearnley moved to the United States shortly before leaving the Pogues. Philip Chevron reformed his former band The Radiators. Terry Woods formed The Bucks with Ron Kavana, releasing the album Dancin' To The Ceili Band in 1994. Later, he formed The Woods Band, releasing the album Music From The Four Corners of Hell in 2002.

[edit] Reunion


In concert in 2006
The band, including MacGowan, re-formed for a Christmas tour in 2001 and performed nine shows in the UK and Ireland in December 2004. In 2002 Q magazine named The Pogues as one of the "50 Bands To See Before You Die". In July 2005, the band — again including MacGowan — played at the annual Guilfest festival in Guildford before flying out to Japan where they played three dates. Japan is the last place they all played together before MacGowan was originally sacked in 1991, and they have a strong following there. They played a date in Spain in early September. The reunited Pogues played dates in the UK with support from the Dropkick Murphys in late 2005, and re-released their 1987 Christmas classic "Fairytale of New York" on 19 December, which went straight in at #3 in the UK Singles charts on Christmas Day 2005, showing the song's enduring popularity. On 22 December 2005 the BBC broadcast a live performance (recorded the previous week) on the Jonathan Ross Christmas show with Katie Melua filling in for the late Kirsty MacColl, the first time the band had played the song live on television. The following week they performed live on the popular music show CD:UK.
Shane MacGowan wrote a blog for The Guardian website in 2006, detailing his thoughts on the current tour.[13]

The Pogues with Shane MacGowan, in concert
The band was awarded the lifetime achievement award at the annual Meteor Ireland Music Awards in February 2006. In March 2006, the band played their first U.S. dates with Shane in over 15 years. The band played a series of sold-out concerts in Washington D.C., Atlantic City, Boston, and New York. Later they played a series of highly acclaimed and sold out gigs during mid-October 2006 in San Francisco, Las Vegas, and Los Angeles, and toured Glasgow, Manchester, Birmingham, London, Dublin, and Nottingham in mid-December 2006. They began a second U.S. tour in March 2007, once again to coincide (and conclude) with a Roseland Ballroom New York City show on Saint Patrick's Day. 2007 has proved to be the most prolific year of touring since the reunion. A tour of the west coast of America and eleven dates in the UK in December complement the headlining festival appearances made in the summer across Europe (Sweden, Belgium and Spain). They continue to be in huge demand, often selling out very large venues, despite criticism of selling out, and claims that arenas and festivals do not suit the band's sound.
Guitarist Phil Chevron has stated there were no plans to record new music or release a new album. Chevron said that one way to keep enjoying what they were doing was to avoid making a new album, although he did say that there still is a possibility in the future for new music, but certainly not in the near future. Terry Woods has commented that MacGowan has been writing, and most of it sounds good. However on the pages of The Pogues message board, Chevron revealed that The Pogues are preparing a box set of unreleased tracks for release in June 2008.
The band has received mixed reviews of its recent performances. Reviewing a March 2008 concert, The Washington Post described MacGowan as "puffy and paunchy," but said the singer "still has a banshee wail to beat Howard Dean's, and the singer's abrasive growl is all a band this marvelous needs to give its amphetamine-spiked take on Irish folk a focal point." The reviewer continued: "The set started off shaky, MacGowan singing of `goin' where streams of whiskey are flowin,' and looking like he'd arrived there already. He grew more lucid and powerful as the evening gathered steam, through two hours and 26 songs, mostly from the Pogues' first three (and best) albums." [14]

[edit] Current members


[edit] Former members

  • Cait O'Riordan: 1982–1986, 2004; bass
  • Joe Strummer: 1991 (also replaced an ailing Phil Chevron for a U.S. tour in 1987); vocals, guitar
  • Jamie Clarke: 1993–1996; guitar, vocals
  • Dave Coulter: 1993–1996; mandolin, ukulele, percussion
  • James McNally: 1993–1996; accordian, whistles, percussion

[edit] Discography


[edit] Fairytale of New York

Main article: Fairytale of New York
"Fairytale of New York" was released as a single in 1987 and reached #1 in the Irish charts and #2 in the British charts over Christmas (the time of peak sales). The song has become a festive classic in the UK and Ireland over the years, and was voted the best Christmas song of all time three years running in 2004[15], 2005[16] and 2006 in polls by music channel VH1 UK, despite not achieving Christmas Number One when it was released. It was also voted as the 27th greatest song never to reach UK#1 in another VH1 poll, and also voted as the 84th greatest song of all time by BBC Radio 2 listeners in their "Sold on Song" top 100 poll. In 2007 the record was briefly censored by the BBC because of the word "faggot" being deemed potentially offensive to gays. Following protests from listeners, including the mother of Kirsty MacColl, the censorship was lifted.

[edit] Albums


[edit] Live Albums

  • Streams of Whiskey: Live in Leysin, Switzerland 1991 (2002)
  • The Ultimate Collection including Live at the Brixton Academy 2001 (2005): #15 UK

[edit] Compilation Albums

  • The Best of The Pogues (1991): #11 UK
  • The Rest of The Best (1992)
  • The Very Best Of The Pogues (2001): #18 UK
  • Dirty Old Town: The Platinum Collection (Budget CD) (2005)
  • Just Look Them Straight In The Eye and Say....POGUE MAHONE!! (Anthology/Box Set of rare and unreleased tracks) (2008)

[edit] Video

  • The Pogues: Live at The Town & Country Club St Patricks Day 1988 VHS 1988
  • POGUEVISION" Music Video Collection - VHS 1991

[edit] Singles

Year Title Chart positions Album
U.S. Modern Rock U.S. Club Play U.K. Singles Irish Singles Chart
1984 "Dark Streets of London" - - - - Red Roses for Me
"Boys from the County Hell" - - - -
1985 "A Pair of Brown Eyes" - - 71 - Rum, Sodomy and the Lash
"Sally MacLennane" - - 51 -
"Dirty Old Town" - - 62 27
1986 Poguetry in Motion (EP) - - 29 11 -
"Haunted" - - 42 7 Sid and Nancy Soundtrack
1987 "Irish Rover" (Featuring The Dubliners) - - 8 1 -
"Fairytale of New York" (Featuring Kirsty MacColl) - - 2 1 If I Should Fall from Grace with God
1988 "If I Should Fall from Grace with God" - - 58 4
"Fiesta" - - 24 11
1989 "Yeah Yeah Yeah Yeah Yeah" 17 36 43 6 Yeah Yeah Yeah Yeah Yeah
"Misty Morning, Albert Bridge" - - 41 8 Peace and Love
1990 "Summer in Siam" - - 64 21 Hell's Ditch
"Jack's Heroes" (Featuring The Dubliners) - - 63 4 Yeah Yeah Yeah Yeah Yeah
1991 "Sunny Side of the Street" 23 - - - Hell's Ditch
"Rainy Night in Soho (Remix)" - - 67 24 Poguetry in Motion
"Fairytale of New York" (Re-Issue) - - 36 10 If I Should Fall from Grace with God
1992 "Honky Tonk Woman" - - 56 - Yeah Yeah Yeah Yeah Yeah
1993 "Tuesday Morning" 11 - 18 26 Waiting for Herb
"Once Upon a Time" - - 66 -
2005 "Fairytale of New York" (Re-Release) - - 3 3 If I Should Fall from Grace with God
2006 "Fairytale of New York" (Re-entry of re-release) - - 6 -
2007 "Fairytale of New York" (Re-entry on Downloads alone) - - 4 3
2008 "Fairytale of New York" (Re-entry on Downloads alone) - - 12 8

[edit] References


[edit] External links





"A Rainy Night in Soho

Composição: Shane MacGowan

I've been loving you a long time
Down all the years, down all the days
And I've cried for all your troubles
Smiled at your funny little ways
We watched our friends grow up together
And we saw them as they fell
Some of them fell into Heaven
Some of them fell into Hell


I took shelter from a shower
And I stepped into your arms
On a rainy night in Soho
The wind was whistling all its charms
I sang you all my sorrows
You told me all your joys
Whatever happened to that old song
To all those little girls and boys


Now the song is nearly over
We may never find out what it means
But there's a light I hold before me
And you're the measure of my dreams
The measure of my dreams


Sometimes I wake up in the morning
The gingerlady by my bed
Covered in a cloak of silence
I hear you in my head
I'm not singing for the future
I'm not dreaming of the past
I'm not talking of the fist time
I never think about the last


Now the song is nearly over
We may never find out what it means
Still there's a light I hold before me
You're the measure of my dreams
The measure of my dreams"
Pin It button on image hover