26/04/17

F.C. do Porto Ciclismo - A edição de 2017 do Grande Prémio de Mortágua terminou com quatro ciclistas da W52-FC Porto-Mestre da Cor entre os dez primeiros a cruzar a meta em Mortágua, ponto de partida e de chegada de mais uma prova pontuável para a Taça de Portugal de Elite e de Sub-23.



«QUATRO PORTISTAS NOS DEZ PRIMEIROS DO GRANDE PRÉMIO DE MORTÁGUA

W52-FC Porto-Mestre da Cor venceu a classificação coletiva.

A edição de 2017 do Grande Prémio de Mortágua terminou com quatro ciclistas da W52-FC Porto-Mestre da Cor entre os dez primeiros a cruzar a meta em Mortágua, ponto de partida e de chegada de mais uma prova pontuável para a Taça de Portugal de Elite e de Sub-23.

No final dos 144 quilómetros, que incluíram três contagens de montanha, Joaquim Silva terminou na segunda posição, com o mesmo tempo do vencedor David Rodrigues (3h44m18s), da Rádio Popular Boavista. Cinco segundos depois acabaram Samuel Caldeira (3.º), Daniel Freitas (5.º) e Amaro Antunes (7.º), que encerrou o “lote” dos portistas que terminaram no top-10.

No que respeita a classificação coletiva, os Dragões foram os grandes vencedores, num pódio que ficou completo com a equipa da Rádio Popular Boavista (2.º) e da Miranda Mortágua (3.º).» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/ciclismo-gp-mortagua-2017.aspx


Ciclismo: resumo do Grande Prémio de Mortágua (25/04/17)

Amarante Arte Urbana - Que andam os artistas de rua de Amarante a escrever em jeito de recados de Abril aos munícipes...


(Poemas e Canções de Abril... nas ruas de Amarante)



Manuel Freire - "Pedra filosofal"


"Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho 
é uma constante da vida 
tão concreta e definida 
como outra coisa qualquer, 
como esta pedra cinzenta 
em que me sento e descanso, 
como este ribeiro manso 
em serenos sobressaltos, 
como estes pinheiros altos 
que em verde e oiro se agitam, 
como estas aves que gritam 
em bebedeiras de azul. 

Eles não sabem que o sonho 
é vinho, é espuma, é fermento, 
bichinho álacre e sedento, 
de focinho pontiagudo, 
que fossa através de tudo 
num perpétuo movimento. 

Eles não sabem que o sonho 
é tela, é cor, é pincel, 
base, fuste, capitel, 
arco em ogiva, vitral, 
pináculo de catedral, 
contraponto, sinfonia, 
máscara grega, magia, 
que é retorta de alquimista, 
mapa do mundo distante, 
rosa-dos-ventos, Infante, 
caravela quinhentista, 
que é Cabo da Boa Esperança, 
ouro, canela, marfim, 
florete de espadachim, 
bastidor, passo de dança, 
Colombina e Arlequim, 
passarola voadora, 
pára-raios, locomotiva, 
barco de proa festiva, 
alto-forno, geradora, 
cisão do átomo, radar, 
ultra-som, televisão, 
desembarque em foguetão 
na superfície lunar. 

Eles não sabem, nem sonham, 
que o sonho comanda a vida. 
Que sempre que um homem sonha 
o mundo pula e avança 
como bola colorida 
entre as mãos de uma criança."


António Gedeão, in 'Movimento Perpétuo' 

Internet - O jogo que levou ao suicídio várias crianças e adolescentes em países como o Brasil e a Rússia já chegou às escolas portuguesas.



«Baleia azul. Os conselhos da PSP sobre o jogo fatal

O jogo que levou ao suicídio várias crianças e adolescentes em países como o Brasil e a Rússia já chegou às escolas portuguesas. Como o i noticia na edição de hoje, há links a circular por sms e whatsapp e mensagens a advertir para os riscos de entrar no desafio da baleia azul.

O i pediu à PSP alguns conselhos para que pais e filhos saibam o que fazer em caso de se sentirem ameaçados pelo "jogo":

- Aconselha-se os pais a manterem-se informados relativamente ao jogo e a alertar as crianças e jovens para as suas implicações;

- Deve existir uma maior supervisão e monitorização das atividades dos filhos na internet e das redes sociais;

- Importa ainda que os pais alertem as crianças sobre os riscos de adicionar desconhecidos e recomendem que apenas a família, amigos e pessoas da escola façam parte da lista de amizades nas redes sociais;

- A PSP recomenda ainda o bom uso dos meios digitais e informa que não há necessidade de proibir o acesso aos mesmos; 

- Ressalva-se que o mais importante é incentivar o diálogo e o debate no seio familiar sobre os assuntos relacionados com a segurança, perigos e privacidade na internet de forma a promover um maior conhecimento por parte das crianças e jovens;

- Sempre que os pais suspeitem que as crianças ou jovens estejam a ser alvo de violência psicológica ou intimidação devem dirigir-se à Esquadra da PSP mais próxima e efetuar uma denúncia relatando todos os factos.» in https://ionline.sapo.pt/560102

25/04/17

Sociedade - Numa palavra, eliminou-se a dor moral e a angústia metafísica mediante a abolição do espírito; trata-se do regresso do homem a uma existência puramente animal, pelo meu colega e amigo, Professor Guilherme Koehler.



«A anulação do espírito

«Aldous Huxley quis mostrar uma sociedade “científica” que não deixou rasto do direito natural nem da velha preocupação da justiça, uma sociedade na qual o ingénuo se sacrifica à colectividade, onde se encontram todas as comodidades materiais e já não se experimenta a necessidade de algum tipo de assistência espiritual, porque, com uma sagaz utilização dos reflexos condicionados, se suprimiram as tendências espiritualistas do homem. 

Numa palavra, eliminou-se a dor moral e a angústia metafísica mediante a abolição do espírito. É o regresso do homem a uma existência puramente animal».

Alfredo Saenz em “A Nova Orden Mundial no pensamento de Fukuyama”» in https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10206771459324453&set=gm.1366703660050098&type=3&theater

F.C. do Porto Bilhar - O FC Porto apurou-se na noite desta segunda-feira para os quartos de final da Taça de Portugal, após bater o BC Porto por 2-0, na Academia de Bilhar do Estádio do Dragão.



«BILHAR SEGUE EM FRENTE NA TAÇA DE PORTUGAL

Vitória por 2-0 sobre o BC Porto apura Dragões para os quartos de final.

O FC Porto apurou-se na noite desta segunda-feira para os quartos de final da Taça de Portugal, após bater o BC Porto por 2-0, na Academia de Bilhar do Estádio do Dragão. A eliminatória foi disputada em sets de 15 carambolas e à melhor de três sets - como nas mesas dois e três foi ganho pela maior margem, não foi necessário acabar o jogo nas mesas um e quatro. 

Nestes oitavos de final, o triunfo portista foi conseguido da seguinte forma: Rui Manuel Costa-Miguel Santos, 15-2 e 6-15 (mesa um); João Ferreira-Manuel Rio, 15-1 e 15-12 (mesa dois); Fernando Cunha-Ângelo Figueiredo, 15-10 e 15-13 (mesa três); Santos Oliveira-Adriano Lopes 11-15 e 15-13 (mesa quatro).

Na próxima eliminatória, os Dragões deslocam-se ao salão do Famalicense, que venceu o Dragon Force por 2-0. O encontro foi adiado para 11 de maio, devido à presença de João Ferreira (na foto) e Rui Manuel Costa (juntamente com José Miguel Soares e Hugo Costa, do Dragon Force) nos Campeonatos da Europa de Brandemburgo, na Alemanha, que se disputam entre esta quinta-feira e 7 de maio.

Recorde-se que, no Campeonato Nacional, os azuis e brancos levam 39 vitórias consecutivas, tendo já garantido o primeiro lugar da zona Norte. Na última jornada, a 8 de maio, os portistas jogam no Estádio do Leixões, frente à formação da casa.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/bilhar-3-tabelas-FC-Porto-BC-Porto-taca-de-portugal-oitavos-de-final-2017.aspx

Amarante Pintura - O Extraordinário e Multifacetado Artista Plástico Amarantino, Fernando Barros, interpela-nos com a sua obra: "25 de Abril sempre".

24/04/17

Amarante Literatura - Ainda em 1906, Pascoaes publica outro livro de versos de maravilha - «Vida Etérea» -, onde ergue o mais belo canto de amor: "Elegia do Amor".



«Ainda em 1906, Pascoaes publica outro livro de versos de maravilha - «Vida Etérea» -, onde ergue o mais belo canto de amor:

"Elegia do Amor

Lembras-te, meu amor, 
Das tardes outonais, 
Em que íamos os dois, 
Sozinhos, passear, 
Para fora do povo 
Alegre e dos casais, 
Onde só Deus pudesse 
Ouvir-nos conversar? 
Tu levavas, na mão, 
Um lírio enamorado, 
E davas-me o teu braço; 
E eu, triste, meditava 
Na vida, em Deus, em ti... 
E, além, o sol doirado 
Morria, conhecendo 
A noite que deixava. 
Harmonias astrais 
Beijavam teus ouvidos; 
Um crepúsculo terno 
E doce diluía, 
Na sombra, o teu perfil 
E os montes doloridos... 
Erravam, pelo Azul, 
Canções do fim do dia. 
Canções que, de tão longe, 
O vento vagabundo 
Trazia, na memória... 
Assim o que partiu 
Em frágil caravela, 
E andou por todo o mundo, 
Traz, no seu coração, 
A imagem do que viu. 

Olhavas para mim, 
Às vezes, distraída, 
Como quem olha o mar, 
À tarde, dos rochedos... 
E eu ficava a sonhar, 
Qual névoa adormecida, 
Quando o vento também 
Dorme nos arvoredos. 
Olhavas para mim... 
Meu corpo rude e bruto 
Vibrava, como a onda 
A alar-se em nevoeiro. 
Olhavas, descuidada 
E triste... Ainda hoje escuto 
A música ideal 
Do teu olhar primeiro! 
Ouço bem tua voz, 
Vejo melhor teu rosto 
No silêncio sem fim, 
Na escuridão completa! 
Ouço-te em minha dor. 
Ouço-te em meu desgosto 
E na minha esperança 
Eterna de poeta! 
O sol morria, ao longe; 
E a sombra da tristeza 
Velava, com amor, 
Nossas doridas frontes. 
Hora em que a flor medita 
E a pedra chora e reza, 
E desmaiam de mágoa 
As cristalinas fontes. 
Hora santa e perfeita, 
Em que íamos, sozinhos, 
Felizes, através 
Da aldeia muda e calma, 

Mãos dadas, a sonhar, 
Ao longo dos caminhos... 
Tudo, em volta de nós, 
Tinha um aspecto de alma. 
Tudo era sentimento, 
Amor e piedade. 
A folha que tombava 
Era alma que subia... 
E, sob os nossos pés, 
A terra era saudade, 
A pedra comoção 
E o pó melancolia. 
Falavas duma estrela 
E deste bosque em flor; 
Dos ceguinhos sem pão, 
Dos pobres sem um manto. 
Em cada tua palavra, 
Havia etérea dor; 
Por isso, a tua voz 
Me impressionava tanto! 
E punha-me a cismar 
Que eras tão boa e pura, 
Que, muito em breve — sim! 
Te chamaria o céu! 
E soluçava, ao ver-te 
Alguma sombra escura, 
Na fronte, que o luar 
Cobria, como um véu. 
A tua palidez 
Que medo me causava! 
Teu corpo era tão fino 
E leve (oh meu desgosto!) 
Que eu tremia, ao sentir 
O vento que passava! 
Caía-me, na alma, 
A neve do teu rosto. 

Como eu ficava mudo 
E triste, sobre a terra! 
E uma vez, quando a noite 
amortalhava a aldeia, 
Tu gritaste, de susto, 
Olhando para a serra: 
— Que incêndio! — E eu, a rir, 
Disse-te — É a lua cheia!... 
E sorriste também 
Do teu engano. A lua 
Ergueu a branca fronte, 
Acima dos pinhais, 
Tão ébria de esplendor, 
Tão casta e irmã da tua, 
Que eu beijei sem querer, 
Seus raios virginais. 
E a lua, para nós, 
Os braços estendeu. 
Uniu-nos num abraço, 
Espiritual, profundo, 
E levou-nos assim, 
Com ela, até ao céu 
Mas, ai, tu não voltaste 
E eu regressei ao mundo. 

Teixeira de Pascoaes, in 'Vida Etérea'"

Deste poema disse Fernando Pessoa: «Paira acima do The last ride Together, de Browning, como poema metafísico do amor.»» in Fotobiografia Na Sombra de Pascoaes de Maria José Teixeira de Vasconcelos.


(TEIXEIRA DE PASCOAES - ELEGIA DO AMOR)

Amarante Fregim - Esplendor da Primavera, na Rua do Rio, Fregim, Amarante, neste abril soalheiro...


(Amarante, Fregim, Primavera florida...)

F.C. do Porto Natação - O FC Porto venceu coletivamente o Open Vale do Sousa, que decorreu este fim de semana na Piscina Municipal de Felgueiras (25 metros).



«DRAGÕES VENCEM OPEN DO VALE DO SOUSA

Equipa portista, que apresentou apenas três seniores, dominou nos pontos e nas medalhas.

O FC Porto venceu coletivamente o Open Vale do Sousa, que decorreu este fim de semana na Piscina Municipal de Felgueiras (25 metros). A equipa azul e branca, que apresentou apenas três nadadores seniores, somou 552,5 pontos, seguida pelo Fluvial Portuense, com 361, e da Seleção Nacional Júnior, com 221.

No escalão de juvenis, os nadadores mais pontuados foram os portistas Ana Rita Ramos, com 663 pontos nos 400 metros livres (4.28,90), e Pedro Santos, com 688 pontos na mesma distância (4.00,32), a 1,01 segundo do respetivo recorde nacional.

O 5.º Open Vale do Sousa contou com a participação de 284 atletas (154 masculinos e 130 femininos) em representação de 25 equipas. A competição foi organizada pela Associação de Natação do Norte de Portugal, com o apoio da autarquia local.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/natacao_vitoria_open_vale_do_sousa.aspx

Ambiente e Ecologia - A Câmara de Arouca está a desenvolver, com cerca de 70 proprietários do concelho, um projecto-piloto que visa criar um corredor florestal de 12 quilómetros apenas com árvores autóctones mais resistentes ao fogo do que o eucalipto.



«Projecto-piloto. “Cortina de árvores” com 12 km cria protecção contra incêndios

Câmara de Arouca cria corredor florestal com cinco espécies mais resistentes às chamas.

A Câmara de Arouca está a desenvolver, com cerca de 70 proprietários do concelho, um projecto-piloto que visa criar um corredor florestal de 12 quilómetros apenas com árvores autóctones mais resistentes ao fogo do que o eucalipto.

Segundo revelou à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal, o projecto, a ser monitorizado ao longo de dez anos, arrancará em Setembro com a plantação de cerca de 80 mil árvores dispostas por uma faixa de terreno com 10 metros de largura a partir da estrada, no percurso entre o centro da vila e os passadiços do Paiva.

"Vamos usar cinco espécies de árvores autóctones que são mais resilientes e não deixam crescer grande vegetação sob as suas copas - sobreiros, castanheiros, bétulas, cerejeiras e carvalhos - e depois assumiremos a gestão deste corredor ao longo de dez anos, antes de devolvermos essa responsabilidade aos proprietários", explicou José Artur Neves.

"Nos nossos contactos com os donos dos terrenos, 99% deles mostraram-se entusiasmados com o projecto e só um é que se recusou a participar, por preferir plantar apenas eucalipto, que rende mais financeiramente", observou o autarca.

Mas, realçou, “essa espécie é precisamente a que queremos evitar, não só pelos riscos enormes que representa em caso de incêndio, mas também porque é ela que tem vindo descaracterizar toda a floresta portuguesa".

Técnicos vão monitorizar cada espécie 
O objectivo do projecto-piloto da Câmara de Arouca é estabelecer uma “cortina arbórea de protecção” contra incêndios florestais e também contribuir para o embelezamento da paisagem natural do concelho, apostando em espécies que, nas últimas décadas, foram sendo substituídas por eucaliptos.

José Artur Neves referiu que a medida surge na sequência da recente alteração legislativa mediante a qual "a gestão do território florestal passou a ser incumbência dos municípios".

Com base nessas novas competências, a autarquia contactou os proprietários com terrenos no trajecto entre a vila de Arouca e os passadiços do Paiva, do que resultou que aqueles cederam à autarquia o direito de aceder às suas terras para aí proceder à plantação das novas árvores. A Câmara caberá também gerir essa área, recorrendo a técnicos especializados para monitorizar o crescimento de cada espécie e o seu comportamento em caso de fogo.

Caso a avaliação do projecto-piloto se revele positiva, José Artur Neves quer depois "alargar a medida a todo o concelho, o que implicará muitos milhões de árvores". Já a contar com resultados favoráveis, anuncia, aliás, a ampliação dos viveiros municipais, "para haver capacidade de resposta" a essa procura.

Entretanto, o autarca propõe-se também "reestruturar o Plano Director Municipal" para aí reflectir as novas responsabilidades da Câmara no que se refere ao ordenamento florestal. "Temos um ano para tratar disso", concluiu.» in http://rr.sapo.pt/noticia/81891/projecto_piloto_cortina_de_arvores_com_12_km_cria_proteccao_contra_incendios?utm_source=rss

Liga NOS: F.C. do Porto 0 vs Feirense 0 - Acabou sem golos o jogo da 30.ª jornada da Liga NOS entre o FC Porto e o Feirense, resultado que volta a complicar as ambições portistas de lutar pelo título.



«EMPATE VOLTA A ATRASAR DRAGÕES

Terminou como começou (0-0) o jogo da 30.ª jornada, frente ao Feirense.

Acabou sem golos o jogo da 30.ª jornada da Liga NOS entre o FC Porto e o Feirense, resultado que volta a complicar as ambições portistas de lutar pelo título. O ponto conseguido este domingo, no Estádio do Dragão, mantém os Dragões a três da liderança, agora com apenas quatro jornadas para jogar até ao final do campeonato.

Na partida desta noite foi preciso esperar 14 minutos para ver o primeiro lance de relativo perigo junto de uma das balizas, no caso, a do Feirense. Apareceu Soares, numa “bicicleta” que não levou a melhor direção, mas que teve o condão de acordar a equipa portista. Consciente de que era preciso fazer mais e melhor do que nos primeiros 20 minutos, os azuis e brancos lançaram-se em busca do objetivo principal: o golo.

E não faltaram ocasiões para o Dragão festejar. Contando com a cabeçada de Diogo Jota na ressaca de um cruzamento de Óliver mal resolvido por Vaná (19m), a cabeçada de Danilo em zona privilegiada após canto de Alex Telles (27m), um remate de Danilo em zona frontal que saiu ligeiramente por cima (41m), outro de Óliver que, não fosse acertar em Jean Sony, acabaria dentro das redes fogaceiras (44m), ou o toque de pé esquerdo de Soares que acertou nas redes laterais, de uma baliza deserta (45m) foram cinco, no total, as ocasiões para os Dragões saírem na frente para o intervalo. E são elas também o melhor espelho dos primeiros 45 minutos, que terminou com um teimoso nulo.

Por teimosia, ou não, não temos forma de o saber, a segunda parte começa com um lance que o árbitro Rui Costa decidiu ignorar. Tendo em conta a sua proximidade do lance, ignorar talvez seja o termo mais simpático de classificar uma decisão de um lance em que Otávio, que ao intervalo rendeu Óliver, é claramente desequilibrado por Jean Sony, numa jogada que tinha muito de promissora, mas que terminou com uma queda do 25 portista. O árbitro, a escassos metros da ação, conseguiu não ver o que todos viram.

E, posto isso, seguiu-se a toada, ainda mais acentuada, da primeira parte. Marcano (53m), Otávio (56m), desta vez sem mãos alheias, e Felipe foram traídos pela falta de pontaria, enquanto Rui Pedro, poucos minutos depois de ter entrado, esbarrou com o acerto do guardião Vaná Alves. No momento em que o jogo se desenrolva praticamente dentro dos últimos 30 metros defensivos do Feirense, o protagonismo voltou a Rui Costa. Não pelas decisões duvidosas e critérios díspares de algumas faltas apitadas a meio-campo (essas até podiamos dar de barato), mas porque o agarrão a Marcano aos 73 minutos, já em cima da pequena área, foi evidente demais para que ele ou outro dos três elementos da sua equipa não o vissem. 

E daì, voltamos a Vaná Alves, ele que chamou a si as atenções, negando no mesmo minuto (82) o golo a Maxi e, de novo, a Rui Pedro. Era já a fase em que o coração jogava mais do que a cabeça… a mesma com que Maxi fez uma derradeira tentativa de desbloquear o empate que Vaná segurou definitivamente.

A próxima jornada reserva aos Dragões a primeira de duas deslocações consecutivas. Sábado, às 20h30, os azuis e brancos jogam no Municipal Manuel Branco Teixeira, frente ao Desportivo de Chaves, a partida da 31.ª jornada.

VER FICHA DE JOGO» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/2016%20-%202017/empate-volta-a-atrasar-dragoes-4-23-2017.aspx


(Análise: Este Dragão sente o medo de não voltar a ganhar)

23/04/17

F.C. do Porto Basquetebol: F.C. do Porto 101 vs Vitória de Guimarães 96 - Dragões venceram o Vitória de Guimarães com dois prolongamentos e uma exibição soberba do sérvio.



«DUPLO-DUPLO DE SASA DÁ VITÓRIA NA FASE REGULAR

Dragões venceram (101-96) o Vitória de Guimarães com dois prolongamentos e uma exibição soberba do sérvio.

Foi preciso uma hora de basquetebol, com dois prolongamentos, e a melhor versão de Sasa Borovnjak para o FC Porto vencer, neste domingo, o Vitória de Guimarães (101-96) no Dragão Caixa e confirmar o primeiro lugar da fase regular da Liga, ainda com uma jornada por disputar. O sérvio fez um duplo-duplo de 21 pontos e 10 ressaltos, e os azuis e brancos beneficiaram da derrota do Benfica em Oliveira de Azeméis. Aconteça o que acontecer no Barreiro, frente ao Galitos, já ninguém tira o fator-casa aos campeões nacionais nos Playoffs.

Alguma permissividade defensiva e uma clara indefinição no ataque portista foi só o que o Vitória de Guimarães precisou para dominar os dois primeiros períodos do encontro (32-39), com o norte-americano Victor Moses a brilhar e a distinguir-se como o melhor marcador da primeira parte, com 13 pontos e uma eficácia tremenda, convertendo seis de sete lançamentos de campo, um deles de três pontos.

Mas tudo mudou depois do intervalo e a partir do momento em que Brad Tinsley pegou na bola e no jogo. O base norte-americano fez os primeiros cinco pontos de um parcial de 11-1 que colocou o FC Porto na frente e conduziu os campeões nacionais num período em que reverteram uma desvantagem de sete pontos numa diferença favorável de sete pontos (57-50).

O Vitória reagiu no último quarto e a 7:25 minutos do final encurtava as distâncias para uma posse de bola (59-56), diferença a que José Silva reagiu com a conversão de dois triplos consecutivos. Pouco depois, Nick Washburn recolocaria a vantagem portista na casa das dezenas (70-60), desde a linha de lances livres. Entre várias oscilações, a equipa de Guimarães manteve-se sempre na discussão do resultado e acabaria por empatar (80-80) a sete segundos final, com João Balseiro a forçar o prolongamento.

Sem José Silva e Nick Washburn, excluídos por limite de faltas, o FC Porto perderia, pelas mesmas razões, Miguel Queiroz mais adiante, além de alguma clarividência que fez perigar a vitória portista, confirmada no segundo tempo extra por uma exibição soberba da Sasa Borovnjak, já depois de Miguel Miranda impor o recurso a novo prolongamento com a conversão de um lançamento triplo. Nos cinco minutos que tudo decidiram, o sérvio fez dez dos 13 pontos somados pelo FC Porto, que foram apenas a ponta do icebergue de um duplo-duplo de 31 pontos e 10 ressaltos, e uma eficácia de 100 por cento na linha de lance livre (15 em 15).» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/basquetebol-fcporto-guimaraes-lpb-2f-9j.aspx

F.C. do Porto Hóquei Patins: Paços de Arcos 4 vs F.C. do Porto Fidelidade 10 - Seis golos de Hélder Nunes no triunfo na partida referente à 20.ª jornada do campeonato.



«GOLEADA EM PAÇO DE ARCOS MANTÊM DISTÂNCIA PARA A LIDERANÇA

Seis golos de Hélder Nunes no triunfo (10-4) na partida 20.ª jornada do campeonato.

O FC Porto Fidelidade venceu na tarde deste domingo no Pavilhão do Paço de Arcos, por 10-4, no jogo da 20.ª jornada do Campeonato Nacional de hóquei em patins. Os golos da sexta vitória consecutiva dos Dragões foram apontados por Vítor Hugo (2), Hélder Nunes (6), Reinaldo Garcia e Rafa. No que respeita à classificação, os três primeiros continuam assim separados por dois pontos, com a Oliveirense na liderança (54 pontos) e o Benfica no segundo posto (53). Com menos um, no terceiro posto, seguem os Dragões.

Num pavilhão tradicionalmente difícil para os Dragões, assistiu-se a uma entrada agressiva da equipa de Guillem Cabestany, que procurou desde o primeiro minuto jogar o mais próximo possível da baliza adversária. Não demorou muito até que essa pressão surtisse o seu efeito, uma vez que logo no segundo minuto Vítor Hugo abriu o marcador, dando rumo certo um remate de Reinaldo Garcia. Mas durou pouco a vantagem. Dez segundos, para ser mais preciso, foi o tempo que Nélson Ribeiro demorou a empatar a partida.

Com o jogo igualado, assistiu-se a uma resposta dos Dragões e a uma luta particular entre Vítor Hugo e Hélder Nunes, que o capitão haveria por levar a melhor. Foi ele que fez o segundo (9m) e o terceiro (11m) golos portistas e o Vítor Hugo o quarto (12m), com o intervalo a não chegar sem antes o Paço de Arcos reduzir para 4-2 (Tiago Losna).

A segunda parte trouxe um FC Porto implacável, com Hélder Nunes em grande destaque. Aos dois golos do primeiro tempo o capitão juntou mais quatro no segundo (o último é digno de ser visto e revisto), acabando por decidir por completo a partida a favor dos azuis e brancos. Para lá do show de 78 portista houve ainda tempo para brilharem Reinaldo Garcia (38m) e Rafa (39) que se encarregaram de colocar o marcador na dezena.

Quanto ao Paço de Arcos, o melhor que conseguiu foi atenuar a clivagem no marcador, com Nélson Ribeiro e Ricardo Pereira a fazerem o terceiro e quarto da equipa da casa. Os Dragões regressam à competição no próximo sábado, dia para o qual têm agendada a receção à Sanjoanense (18h00, Porto Canal), no Dragão Caixa, relativa à 21.ª jornada do campeonato.

FICHA DE JOGO 

PAÇO DE ARCOS-FC PORTO FIDELIDADE, 4-10
Campeonato Nacional, 20.ª jornada
23 de abril de 2017
Pavilhão Gimnodesportivo de Paço de Arcos

Árbitros: Ricardo Leão e Miguel Guilherme

PAÇO DE ARCOS: Guilherme Pedruco, Nélson Ribeiro, José Miguel Dantas (cap.), Ricardo Pereira e Tiago Gouveia
Jogaram ainda: Diego Dias, Pedro Jordão, Tiago Losna e Fábio Quintino
Treinador: Jorge Godinho

FC PORTO: Nélson Filipe, Hélder Nunes (cap.) Reinaldo Garcia, Vítor Hugo e Gonçalo Alves
Jogaram ainda: Rafa, Ton Baliu, Jorge Silva e Telmo Pinto
Treinador: Guillem Cabestany

Ao intervalo: 2-4
Marcadores: Vítor Hugo (2m, 12m), Nélson Ribeiro (2m), Hélder Nunes (9m, 11m, 26m, 32m, 32m, 36m), Tiago Losna (20m), Reinaldo Garcia (38m) e Rafa (39m) e Ricardo Pereira (47m)

Disciplina: cartão azul a Ton Baliu (20m)» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/hoquei-paco-darcos-fcporto-cn-2aj-230417.aspx

F.C. do Porto Sub 15 Futebol: F.C. do Porto 2 vs Paços de Ferreira 0 - Avançado João Pinto fez os dois golos que valem os primeiros pontos da fase final.



«SUB-15 VENCEM PAÇOS DE FERREIRA

Avançado João Pinto fez os golos (2-0) que valem os primeiros pontos da fase final.

A equipa de Sub-15 do FC Porto somou na manhã deste domingo os primeiros três pontos na fase final do Campeonato Nacional de juniores C, após vencer no Estádio Luís Filipe Menezes, no Olival, a formação do Paços de Ferreira (2-0), no jogo da quarta jornada. Conquistados os primeiros três pontos da fase decisiva, a equipa de José Conceição volta a entrar em campo apenas no dia 7 de maio, para o qual tem agendado uma visita a Coimbra, para jogar frente à Académica.

Depois de três derrotas, os azuis e brancos tiveram uma entrada em jogo carregada de personalidade, que valeu um domínio completo da partida. Esse domínio traduziu-se em volume de jogo ofensivo do qual acabou por resultar os dois golos do avançado João Pinto (24m e 33m) ainda antes do intervalo.

A mesma toada verificou-se nos segundos 35 minutos: os pacenses nunca conseguiram incomodar verdadeiramente a defensiva dos Dragões, que poderiam, por um par de ocasiões, ter alargado a vantagem.

Os Sub-15 portistas alinharam com: Igor Bastos, Tomás Esteves, David Vinhas, Tomás Rosete, Hugo Oliveira, Tiago Ribeiro (Afonso Vilas Boas, 52m), Diogo Carreira, Sérgio Meireles, João Pinto (Veríssimo Amaro, 61m), Bernardo Folha e Mauro Ribeiro.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/sub-15-fcporto-pacos-ferreira-cjnc-3af-4aj-230417.aspx


Formação: Sub-15 - FC Porto-Paços de Ferreira, 2-0 (CNJC, 3.ª Fase, 4.ª j., 23/04/17)

Amarante Fregim - A Primavera mantém um expoente de cores e de luz, na Rua do Rio, em Fregim, Amarante.


(Amarante, Fregim, Rua do Rio onde há uma explosão de Primavera)
Pin It button on image hover