24/03/17

F.C. do Porto Atletas Internacionais - O avançado Diogo jota, jogador do FC Porto, fechou a vitória da seleção portuguesa de Sub-21 sobre a Noruega (3-1), em jogo de preparação disputado esta sexta-feira no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril.



«DIOGO JOTA MARCA NO TRIUNFO DOS SUB-21 PORTUGUESES

Mais três Dragões estiveram na vitória por 3-1 em jogo de preparação frente à Noruega.

O avançado Diogo jota, jogador do FC Porto, fechou a vitória da seleção portuguesa de Sub-21 sobre a Noruega (3-1), em jogo de preparação disputado esta sexta-feira no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril.

Aos 89 minutos, com um excelente golpe de cabeça, Diogo Jota estabeleceu o 3-1 final: Gonçalo Paciência, de grande penalidade (44m), e Rúben Semedo (59m) apontaram os outros golos de Portugal, enquanto Morten Thorsby marcou para os noruegueses (76m).

Além de Diogo Jota, mais três Dragões foram utilizados na vitória portuguesa: o médio Rúben Neves, da equipa principal, e o defesa Fernando Fonseca e o médio Francisco Ramos, do FC Porto B.

No dia 28 de março (terça-feira), os Sub-21 lusos defrontam a Alemanha (17h00), em Estugarda, naquele que será o derradeiro teste antes do Campeonato da Europa da categoria, que se realiza na Polónia, de 16 a 30 de junho deste ano. Portugal integra o Grupo B, juntamente com Espanha, Sérvia e Macedónia.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Sub21-Portugal-Noruega-24-03-17.aspx

Amarante Literatura - Aos dezassete anos, Teixeira de Pascoaes, publica “Embriões”, porém a lírica não deixava adivinhar o poeta único que ali estava a nascer e não foi preciso esperar muito: três anos depois, em 1898, com o terceiro livro “Sempre”, revela já um pouco da sua profunda natureza poética.




«Foi para Coimbra em 1895, para a República do Padre Porfírio, na Rua do Cabido, n.º 11, para fazer o último ano do liceu.

Com dezasseis anos, publicou o primeiro livro de versos - «Embriões». Mais tarde, considerando-o, com razão, sem qualidade, fez uma fogueira no jardim da Casa de Pascoaes, e queimou todos os exemplares que conseguiu recolher. Eu, ainda muito pequena, e obedecendo às suas ordens, ajudei a lançar os livros para a fogueira.

Guerra Junqueiro, quando do aparecimento dos «Embriões», disse ao Pai: «Diz a teu filho que se deixe de versos, que trate de outra coisa.»

Terminado o último ano do liceu em Coimbra, Pascoaes matriculou-se no 1.º ano de Direito, em 1896. Muda a sua residência para a Rua da Esperança, 23.

Escreveu depois um poema dividido em dois pequenos volumes - «Belo». Nesse livro de meditações fala do «choque da luz estonteada contra o mundo» trinta e nove anos antes de Charles Fabry, em 1935, na sua obra «PhYsique et Astrophysique», afirmar: «Il n'y a pas, effet continu d'une onde, mais phénomène de choque entre la matière et un projectil qui serait la lumière.»

Pouco depois, escreveu um livro de versos definitivo - «Sempre». Tinha vinte anos. Nesta obra, publicada em 1898, referindo-se à sua aldeia, diz: «essa palmo de terra ilimitado»... muito antes de Einstein ter falado no «espaço finito e indefinido».

Um poeta verdadeiro, genial, pode intuir, muitas vezes, aquilo que, mais tarde, a ciência comprova.

No mesmo ano, saiu ainda o poemeto «À Minha Alma».

Guerra Junqueiro, boquiaberto com a revelação do «Sempre» apressou-se a escrever a Pascoaes afirmando a sua admiração e o seu espanto. Ao Pai diz que se enganara redondamente.» in Fotobiografia "Na Sombra de Pascoaes" de Maria José Teixeira de Vasconcelos.

Mais sobre este assunto:



Amarante Bustelo - Magníficas fotografias de Bustelo com neve, esta semana, registo fabuloso do meu aluno, Francisco Pinto


(Amarante Bustelo, fotografias de Francisco Pinto, meu aluno do 11 PTGEI, da Escola Secundária de Amarante)

Música Pop/Rock - A banda Tineriwen, diretamente do deserto do Sahara, esta banda tuaregue apresenta a sua música orgulhosa e sofrida, um rock rebelde como a sua própria condição.



Tinariwen - "Toumast Tincha"


Tamikrest - "Aratan N Tinariwen"


TINARIWEN - "ISLEGH TAGHRAM TIFHAMAM"


Tinariwen - "Iswegh Attay"


Tinariwen - "Lulla"

 
Tamikrest - "Toumast Anlet"


Tinariwen - "TENERE TAQQIM TOSSAM" 


Tinariwen - "Afours Afours"


Tinariwen - "Imazeghen N Adagh" 


Tinariwen - "Cler Achel" 


Tinariwen - "Imidiwan Ahi Sigdim" 


Tinariwen - "Sastanàqqàm" 


Tinariwen - "Arhegh Danagh"



"Imidiwan Ma Tennam

Imidiwan ma tennam dagh awa dagh enha semmen?
Tenere den tas-tennam enta dagh wam toyyam teglam
Aqqalanagh aljihalat tamattem dagh illa assahat
Tenere den tossamat lat medden eha sahat
Aksan kallan s tandallat taqqal enta tisharat
Aqqalanagh aljihalat tamattem dagh assaha"

23/03/17

Universidade Sénior de Amarante - A 15 de março, a Universidade Sénior de Amarante (USA) participou no Campeonato Nacional de Boccia Sénior 2016/2017 Equipas - Zona Douro, conquistando os dois lugares cimeiros.



«CAMPEONATO NACIONAL DE BOCCIA SÉNIOR 2016/2017 EQUIPAS - ZONA DOURO

Universidade Sénior de Amarante conquista os dois lugares cimeiros.

A 15 de março, a Universidade Sénior de Amarante (USA) participou no Campeonato Nacional de Boccia Sénior 2016/2017 Equipas - Zona Douro, conquistando os dois lugares cimeiros. O evento desportivo serviu de apuramento para a Final do Campeonato Nacional que será a 25 de maio, em São João da Madeira. A avaliar pelo desempenho das equipas da USA, espera-se que Amarante saia bem representada. “A expectativa é sempre a melhor e, por isso, poderá ser que Amarante vença a Final do Campeonato Nacional”, revela, confiante, Nuno Queirós, presidente da Universidade Sénior de Amarante.

Na verdade, esta é a primeira vez que as equipas alcançam este pódio, em termos de Campeonato, uma vez que, em 2016, a equipa amarantina tinha já conquistado a Taça de Portugal de Boccia Sénior Equipas.

Esta mais recente conquista deixa, assim, os atletas com mais um motivo de orgulho. A direção da Universidade Sénior partilha desta felicidade e revela até que devido ao sucesso que a modalidade está a ter e ao envolvimento de todos os atletas, estão já a pensar num torneio municipal. “A nossa ideia é promover um torneio que envolva todas as IPSS e Centros de Dia do concelho, com vista a divulgar o Boccia”, desafia Nuno Queirós.

Como tudo começou…

António Varejão recorda que foi há dois anos que se iniciou na modalidade. “Só conheci o Boccia na Universidade Sénior. Eu e os meus colegas de equipa. Nunca tínhamos jogado, não conhecíamos as regras, sequer. A primeira competição em que participamos foi em Resende e desde então, o bichinho ficou”.

Explica, António Varejão, que na competição do passado dia 15 de março, ao todo, participaram cinco equipas da USA (3 da sede e 2 de Vila Meã). Depois da mais recente vitória, António Varejão garante, orgulhoso, que na Final do Campeonato vão fazer “boas figuras e trabalhar para trazer para casa o troféu”.

Desde o início do ano letivo, todas as terças-feiras, a professora Simone Reis, voluntária na instituição, treina estes atletas, cujo grande segredo para o êxito é mesmo “o empenho”, explica a professora, que não poderia estar mais satisfeita com a performance da equipa.

 “Calma, concentração e muito treino” – António Varejão revela a chave para o sucesso, “mesmo para quem nunca tenha jogado”.

Originalmente concebido para ser jogado por pessoas com paralisia cerebral, o Boccia tornou-se tão popular que hoje em dia é praticado por qualquer pessoa. Em muitos países, a modalidade chegou mesmo a ganhar dimensões de desporto federado. Em Portugal, foi introduzido em 1983, durante um curso organizado pela APPC (Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral), em estreita colaboração com a CP-ISRA (Associação Internacional de Desporto e Recreação para a Paralisia Cerebral).

Classificação dos três primeiros lugares:

1. Universidade Sénior de Amarante (equipa 1)

2. Universidade Sénior de Amarante (equipa 2)

3. A. S. de Sabrosa (equipa 1)» in http://www.cm-amarante.pt/pt/noticias/universidade-senior-de-amarante-conquista-os-dois-lugares-cimeiros

Amarante Literatura - A editora Babel retirou os livros de Agustina Bessa-Luís do mercado, sendo que a editora, cujo rosto é Paulo Teixeira Pinto, diz que a autora não vende o suficiente para continuar a ter um contrato com um fee fixo.



«Agustina Bessa-Luís merecia melhor

A editora Babel retirou os livros de Agustina Bessa-Luís do mercado. A editora, cujo rosto é Paulo Teixeira Pinto, diz que a autora não vende o suficiente para continuar a ter um contrato com um fee fixo. Diz que está em negociações com a família. A filha da escritora nega que tais negociações existam e tudo isto, que é tão triste, vem relatado na revista Sábado.

Agustina Bessa-Luís está retirada desde 2007 e, ao contrário do que sempre fez desde a década de 40 do século XX, deixou de publicar um livro por ano. Conhecia-a há muito tempo, tivemos encontros felizes e irei reter sempre o lado luminoso que imperava na forma como olhava o mundo e o enorme sentido de humor.É uma grande escritora? É enorme.

O primeiro livro que li de Agustina foi, como aconteceu a tantas outras pessoas, A Sibila. E não gostei nada. Quando lho contei, riu-se. Não se ofendia com este meu descontentamento adolescente.

Relatou numa conversa à Egoísta de 2005 - conduzida pela escritora Inês Pedrosa - que uma vez estava a fazer entrevistas para uma empregada nova e que uma das candidatas, de quem estava a gostar, ficou em sobressalto quando percebeu que era a autora de A Sibila, de tal forma que pegou nas suas coisas e não terminou a entrevista. A culpa era de A Sibila. Não tinha conseguido terminar o liceu por causa do livro e não queria trabalhar ali. Agustina contava esta – e outras tantas histórias – e ria-se.

Não creio que este livro, A Sibila, tenha sido a melhor escolha dentro da vasta obra da autora, mas tenho a certeza de que as novas gerações irão encontrar na escrita incandescente de Agustina Bessa-Luís um universo único, poderoso, atractivo e com um tecido humano incomum. É preciso é que consigam ser motivados para a leitura da obra de Agustina.

No mundo dos livros é difícil ser um sucesso comercial. Em Portugal são publicados, em média, 50 livros por semana. O negócio não está fácil. O projecto editorial da Babel nunca foi extraordinário ou consistente. Foi uma promessa e, ingenuidade!, pensou-se que o facto de ter Paulo Teixeira Pinto à frente dos destinos da Babel era o suficiente para ter sucesso, por se ter presumido que existiria dinheiro para promover o catálogo.

O negócio dos livros é árduo, intrincado e, muitas vezes, misterioso. Ter dinheiro para promover ajuda muito? Não tenho a menor dúvida, mas importa que exista uma estratégia, que exista uma renovação na forma como se comunica e atrai o leitor. Os que são já leitores não precisam de grandes cenouras, mas há quem precise e esses são os novos geradores de negócio. A Babel não soube fazer. Agustina Bessa-Luís merecia melhor.» in http://24.sapo.pt/opiniao/artigos/agustina-bessa-luis-merecia-melhor


«O Português

Prefere ser um rico desconhecido, a ser um herói pobre. É melhor do que parece. O homem português é dissimulado, e fez da inveja um discurso do bom senso e dos direitos humanos. 

Mas é também um homem de paixões moderadas pela sensibilidade, o que faz dele um grande civilizado. 

Gosta das mulheres, o que explica o estado de dependência em que as pretende manter. A dependência é uma motivação erótica. 

É inovador mas tem pouco carácter, como é próprio dos superiormente inteligentes, tanto cientistas, como filósofos e criadores em geral. 

Mente muito, e a verdade que se arroga é uma culpa inibida. Vemos que ele se mantém num estado primitivo quando defende a sua área de partido, de seita e de família, à custa de corrupções e de crimes, se for preciso. 

Gosta do poder mas não da notoriedade. Não tem o sentido da eternidade, mas sim o prazer da liberdade imediata. Não é democrata; excepto se isso intimidar os seus adversários. 

Não tem génio, tem habilidade. 

É imaginativo mas não pensador. 

É culto mas não experiente. 

Não gosta da lei, porque ela desvaloriza a sua própria iniciativa. É místico com a fábula e viril com a desgraça. 

Admira mais a Deus do que tem fé Nele.»

Agustina Bessa-Luís, in 'Caderno de Significados'

F.C. do Porto Andebol: F.C. do Porto 34 vs Madeira SAD 28 - FC Porto bateu o Madeira SAD (34-28), no Dragão Caixa, e leva 27 triunfos em outros tantos jogos no campeonato.



«ENTRADA VITORIOSA NA SEGUNDA FASE

FC Porto bateu o Madeira SAD (34-28), no Dragão Caixa, e leva 27 triunfos em outros tantos jogos no campeonato.

O FC Porto entrou com a mão direita na segunda fase do Campeonato Nacional do Andebol 1, ao receber e vencer esta quarta-feira o Madeira SAD (34-28), no Dragão Caixa, em partida da jornada inaugural. Depois dos 26 triunfos em 26 encontros na primeira fase, os azuis e brancos aumentaram a série para 27 vitórias consecutivas, mantendo, claro está, a liderança isolada do Grupo A da prova. Os Dragões somam agora 42 pontos e, na próxima ronda, que se disputa no dia 5 de abril (21h00), deslocam-se ao Pavilhão Flávio Sá Leite, em Braga, para defrontar o ABC.

Na antevisão desta partida, Daymaro Salina tinha alertado para as dificuldades que esperavam o FC Porto, e o Madeira SAD deu força às palavras do pivô luso-cubano ao longo dos primeiros 20 minutos. Neste espaço temporal, os insulares estiveram quase sempre na frente, mas a partir do momento em que os azuis e brancos assumiram a liderança do marcador, não mais a largaram. Embalados pela pontaria afinada de Nikola Spelic (6 golos) e pela influência crescente de Alfredo Quintana entre os postes da baliza portista, os Dragões foram para o intervalo em vantagem (19-15) e resistiram também ao critério pouco compreensível da equipa de arbitragem, no qual saltou à vista o exagerado cartão vermelho a Alexis Borges (16m).

A etapa complementar não se perspetivava mais fácil para o FC Porto, mas a forma compenetrada e competitiva como os Dragões se exibiram após o reatamento permitiu ao coletivo comandado por Ricardo Costa manter o Madeira SAD a uma distância minimamente confortável. Os minutos iam passando e a vantagem portista nunca esteve abaixo dos três golos, também por culpa da habitual dupla de guarda-redes que tantas vezes fecha a baliza aos adversários: Alfredo Quintana e Hugo Laurentino. O equipa portista não perdeu o foco até ao minuto 60 e acabou mesmo por colocar o carimbo final na 27.ª vitória consecutiva no campeonato (34-28), na qual Gustavo Rodrigues (8 golos), Nikola Spelic (6 golos) e Daymaro Salina (5 golos) foram as principais figuras.

FICHA DE JOGO

FC PORTO-MADEIRA SAD, 34-28 
Andebol 1, 2,ª fase, 1.ª jornada 
22 de março de 2017
Dragão Caixa, Porto

Árbitros: Fernando Costa e Diogo Teixeira

FC PORTO: Hugo Laurentino (g.r.), Daymaro Salina (5), Gustavo Rodrigues (8), Alexis Borges (1), Rui Silva (2), Nikola Spelic (6) e Ricardo Moreira (1)
Jogaram ainda: Alfredo Quintana (g.r.) (1), José Carrillo (1), António Areia (2), Yoel Morales (1), Leandro Semedo (3), Victor Iturriza (1), Miguel Martins (2), Marko Matic e Hugo Santos
Treinador: Ricardo Costa

MADEIRA SAD: Luís Carvalho (g.r.), Nuno Silva (2), Bruno Moreira (6), Fábio Magalhães (8), Daniel Santos (1), Nelson Pina e Diogo Gomes (2)
Jogaram ainda: Yusnier Giron (g.r.), Hugo Rosário (3), João Freitas (2), João Miranda (1), João Martins e João Gomes (3)
Treinador: Paulo Fidalgo

Ao intervalo: 19-15
Disciplina: cartão vermelho a Alexis Borges (16m)» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/andebol-fc-porto-madeira-sad-1jor-2fase-andebol1.aspx


Andebol: FC Porto-Madeira SAD, 34-28 (Andebol 1, 2.ª fase, 1.ª jornada, 22/03/17)

F.C. do Porto - A bilharista do FC Porto Amália Matas sagrou-se na noite de quarta-feira campeã da Europa na variante de Pool Bola 10, após vencer no jogo decisivo a eslovena Ana Gradisnik, por 7-1.



«AMÁLIA MATAS SAGRA-SE CAMPEÃ DA EUROPA DE POOL BOLA 10

Portista derrotou na final a eslovena Ana Gradisnik.

A bilharista do FC Porto Amália Matas sagrou-se na noite de quarta-feira campeã da Europa na variante de Pool Bola 10, após vencer no jogo decisivo a eslovena Ana Gradisnik, por 7-1. No caminho para o título, a portista, que é também tricampeã nacional por equipas, venceu na meia-final a ucraniana Kateryna Polovinchuk, por 7-2.

O torneio (Pool Dynamic Europe) decorre entre os dias 18 e 26 de março em Albufeira, sob a tutela da Federação Portuguesa de Bilhar.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/Am%C3%A1lia-Matas-sagra-se-campe%C3%A3-da-europa-de-Pool-Bola-10.aspx

22/03/17

Música Portuguesa - Francisca Osório de Castro (Porto, 1997), conhecida pelo nome artístico Kika, é uma cantora portuguesa.


Kika - "Colorblind"


Kika - "If This Is Love"

https://pt.wikipedia.org/wiki/Kika_(cantora)



"Colorblind
Kika
  
It's already time ago, it breaks my heart
Once again, we didn't say things
And now the answer to the question in your eyes
If I could only dare to tell you

Won't you be my baby
Please, stay, make me home

Cuz I never knew the color blue until I was loosing you
I've been colorblind
And I don't know what to do
Baby, I believe that I will be broken until you're mine
'Til you're mine
No no no

If I get that I'm not courage with the kids
Would you welcome the affection?
Is it wrong? Is it right to feel like this?
Are you feeling the connection?

Oh won't you be my baby
Please, stay, make me home

Cuz I never knew the color blue until I was loosing you
I've been colorblind
And I don't know what to do
Baby, I believe that I will be broken until you're mine
'Til you're mine

Baby, I've had enough
And you know I'm not that tough
Thinking about a future without you in it
I've never felt something like this
I can't take it anymore, don't you understand?
Won't you be mine?
Be mine

I never knew the color blue until I was loosing you
I've been colorblind
And I don't know what to do
Cuz baby, I believe that I will be broken until you're mine
'Til you're mine
No no no no no

Until, until you're mine
Uh uh uh"

Ambiente e Ecologia - "CLIMA Expo 360º" é uma exposição que chega ao Alentejo para mostrar realidade e apontar pistas para mitigar o impacto das alterações climáticas.



«Dúvidas? Não. A Terra está mesmo a aquecer

"CLIMA Expo 360º" é uma exposição que chega ao Alentejo para mostrar realidade e apontar pistas para mitigar o impacto das alterações climáticas.

As alterações climáticas causadas pelas emissões de gases com efeito de estufa resultante das actividades humanas é o tema que dá mote à exposição "CLIMA Expo 360º", uma criação original de Universcience – Sience Actualités (Paris).

Depois de percorrer diversos países, chegou a Portugal em versão bilingue português-francês e está patente em Évora, por iniciativa da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA) e da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Compreender o sistema climático através das últimas observações, simulações e análises de vários cientistas é um dos objectivos da exposição que quer deixar, também, um alerta para a importância da mobilidade sustentável, da economia de baixo carbono e para os impactos sociais das alterações climáticas.

“Não é preciso ser-se especialista em alterações climáticas para se perceber que algo está a mudar no nosso clima”, diz à Renascença o director regional do Alentejo da APA, André Matoso.

“É importante que as pessoas possam ver pormenores daquilo que se ouve falar e aprofundar mais alguns aspectos”, acrescenta.

“O que acontece nos mares, o que acontece nas florestas, o que acontece noutros pontos do mundo, os possíveis porquês, o que fazer para nos adaptarmos, para tentarmos combater este fenómeno”, questões que encontram resposta na exposição patente até ao início de Abril no espaço expositivo da CCDR, em Évora.

A exposição, que inclui também informação específica sobre o caso português, está disposta em torno de quatro vertentes: o aquecimento global – diagnóstico e impactos; as causas do aquecimento global e a responsabilidade humana; os cenários de emissões de gases com efeito de estufa e a evolução do clima; o planeta à procura de soluções para o desafio climático.

“Não é preciso ter habilitações académicas para aferir que o clima está a mudar”, insiste André Matoso.

“Na semana passada, ainda Inverno, num dia, registámos no Alentejo, 28 graus. Isto só por si não diz muito. É um dia, não é anómalo e não significa que estamos em processo de alterações climáticas”, adianta. Porém, prossegue, “depois de olharmos para o ano passado que foi o ano mais quente desde que há registo, e o de 2015 já tinha sido o anteriormente mais quente, então já estamos perante registos factuais de que do ponto de vista da temperatura isso está a acontecer”.

Para este responsável da APA, há matéria suficiente para inquietar as pessoas e alertá-las para a necessidade de mudar comportamentos.

“Não vale a pena culpar apenas os outros. O futuro do planeta está também nas nossas mãos”, alerta. “A forma como tomamos banho, como regamos o quintal, entre muitas outras coisas. São pequenos gestos, que podem fazer a diferença, reflectindo-se em nosso benefício e em benefício das próximas gerações”, diz André Matoso.

A "CLIMA Expo 360º" dá conta da influência que tem o impacto da intervenção humana na perturbação do sistema climático, mas aponta, também, pistas sobre o tipo de estratégias que podem ajudar a reduzir emissões, de forma a mitigar os riscos, bem como a uma melhor adaptaão aos impactos que são já irreversíveis.» in http://rr.sapo.pt/noticia/78933/duvidas_nao_a_terra_esta_mesmo_a_aquecer?utm_source=rss


«Climat, l'expo à 360°»


(Casablanca abrite l'expo climat à 360°)


(Exposition: Le Climat à 360°)

Amarante Música - Manel Cruz, Tinariwen e Nação Zumbi juntam-se a Herbie Hancock (que dará um concerto exclusivo em Portugal) naquela que será a segunda edição do festival MIMO, que se realiza entre 21 e 23 de Julho em Amarante.



«MAIS TRÊS CONFIRMAÇÕES PARA O MIMO FESTIVAL 
AMARANTE 2017· 21 MAR 2017 · 14:39 

Manel Cruz, Tinariwen e Nação Zumbi juntam-se a Herbie Hancock (que dará um concerto exclusivo em Portugal) naquela que será a segunda edição do festival MIMO, que se realiza entre 21 e 23 de Julho em Amarante.

Querem mais boas notícias? A entrada é livre. A primeira edição do festival aconteceu em 2016 e teve no seu cartaz nomes como Tom Zé, Vieux Farka Touré, Hamilton de Holanda, Pat Metheny & Ron Carter, entre outros.» in 
http://bodyspace.net/ultimas/80672-mais-tres-confirmacoes-para-o-mimo-festival-amarante-2017/


Tinariwen - "Tiwàyyen" (Full Album Stream)

21/03/17

Amarante Pintura - Cozinha da Casa de Manhufe oferece uma vista da cozinha desde as escadas e é um jogo de diferenças em tamanho real.



«Pelas terras de Amadeo de Souza-Cardoso. De Amarante a Manhufe

A casa onde nasceu o pintor mantém-se na sua família conservada quase como nos tempos em que o artista aqui viveu e pintou. Numa rara ocasião, as portas abriram-se a quem quis percorrer os caminhos do artista. De Amarante a Manhufe.

Julgamos, através da correspondência, que o pai do Amadeo teria a intenção de lhe entregar o negócio da distribuição do vinho". A revelação de Marta Soares, mestre em História da Arte e curadora da mais recente exposição do artista no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, e no Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa, tinha ficado guardada para o momento em que se entra na cozinha da casa de Manhufe, aquela que Souza-Cardoso pintou e que se mantém quase igual ao quer era em 1913. "É uma cozinha suspensa no tempo".

O quadro pode ser visto no Museu Gulbenkian - Coleção Moderna, as portas da casa raramente se abrem. Sábado, dia 11, foi uma desses raros dias em que José de Sousa Cardoso, sobrinho-neto de Amadeo, deu autorização. É o filho, António, sobrinho-bisneto do pintor, quem abre o portão da quinta, um exemplar de ferro antigo com a data da fundação inscrita: 1858. Amadeo de Souza-Cardoso, quinto de nove irmãos, nasceu na casa da família a 14 de novembro de 1867. Uma placa na fachada principal assinala a efeméride. Estamos em Manhufe, aldeia da freguesia de Mancelos, em Amarante, entre o Porto e Vila Real.

A casa e as terras foram a herança dos pais de Amadeo, Amélia e José Emydgio de Souza Cardoso, o primeiro exportador de vinho verde e presidente da câmara de Vila Real.



O atelier que o pai de Amadeo manda construir para o filho | RUI MANUEL FERREIRA/ GLOBAL IMAGENS

"Há várias cartas escritas à mulher, Lucie, nesta cozinha", conta Marta Soares, cuja tese de dissertação de mestrado foi justamente Amadeo de Souza-Cardoso e a revista Orpheu. Continua a ser, confirma outra sobrinha-bisneta, Cândida, um local de reunião, como nessa época.

O quadro "Cozinha da Casa de Manhufe" | DIREITOS RESERVADOS


Cozinha da Casa de Manhufe oferece uma vista da cozinha desde as escadas e é um jogo de diferenças em tamanho real. O que está igual ao quadro? O pano na coluna central já lá estava em 1913, tal como a mesa. São novos os pratos de cerâmica e o painel que representa Jesus, reparam a meia centena de visitantes que se acotovelam na cozinha. Frequentam os cursos e passeios culturais do instituto de cultura Inkultu, em Gaia. Carla Gomes, à frente da organização, mobilizou-os para uma visita por terras de Amadeo, depois de terem estado em Lisboa na exposição que evocava o centenário da mostra que o artista tinha feito na Liga Naval. Foi assim que conheceram a curadora Marta Soares, que se somou à viagem e vai desfiando a biografia do artista.

Os pais de Amadeo financiam o filho em Paris, para onde este parte em 1906, depois de uma passagem fugaz pelo curso de Arquitetura na Escola de Belas Artes, em Lisboa. Em Manhufe, onde o artista passa largas temporadas entre 1906 e 1914 (e onde se refugia quando a I Guerra Mundial começa com a mulher), o pai manda construir um atelier. Três divisões e, numa delas, janelas grandes que davam para a serra. Precisa de restauro, algo que está nos planos da família.

O atelier foi construído junto à casa do tio Francisco, irmão da mãe, figura fundamental na carreira artística do pintor. "É ele quem convence o pai a deixar o Amadeo ir para Paris", explica Marta Soares. "Era amigo de pintores como Columbano [Bordalo Pinheiro], do rei D. Carlos, viajava muito, ia a Paris, tinha um grande rede de contactos". Mas, completa, não gostou da arquitetura do atelier, percebe-se numa carta.

Os pedidos de visitas crescem com a popularidade do artista. "Tenho de travar", confidencia José de Sousa Cardoso ao DN. Para lá da cozinha e do atelier, as portas estão fechadas ao olhar de estranhos. O quarto, que os descendentes garantem que se mantém como no tempo do "tio Amadeo", como lhe chamam, só foi mostrado para o documentário Amadeo de Souza-Cardoso: O Último Segredo da Arte Moderna, do luso-francês Christophe Fonseca, exibido por ocasião da exposição que a Gulbenkian de 2016 no Grand Palais, em Paris. Já as obras do pintor quer pertencem à família estão em depósito no Museu Municipal de Amarante, batizado com o seu nome. Tinha sido um dos pontos de passagem do grupo na manhã de sábado, guiados por Marta Soares.

A visita começa na românica igreja de Santo André de Telões, a que José Saramago dedica algumas linhas em Viagem a Portugal (1981), como lê Miguel Augusto Sousa, da Sentir Património, que orienta estes percursos. Introduzem-se os visitantes nas paisagens da infância de Amadeo. E continua-se até ao centro de Amarante, cruzando a ponte Teixeira de Pascoaes. Do outro lado do rio Tâmega, o museu ocupa uma parte do Convento de São Gonçalo. Numa vida anterior, este mesmo convento foi estabelecimento de ensino. "Amadeo frequentou aqui o liceu", refere Marta Soares, durante a visita.

As obras mais antigas do artista testemunham o seu interesse pela caricatura. Um dos "alvos" é o escritor Manuel Laranjeiro, com quem coincide no Café Chinês, em Espinho (onde passava férias e onde viria a morrer em outubro de 1918, vítima de pneumónica), um dos seus primeiros apoiantes. É aqui que se encontra o retrato do tio Francisco, pintado de forma mais tradicional. Marta Soares regressa à correspondência: "O tio, que apoia o sobrinho, também critica a obra. Quer que seja artista, mas também não era preciso ir tão longe".» in http://www.dn.pt/artes/interior/pelas-terras-de-amadeo-de-souza-cardoso-de-amarante-a-manhufe-5730112.html


Google Doodle: 125th Birthday of Amadeo de Souza-Cardoso [HQ]

Amarante Pintura - A artista amarantina, Joana Antunes, interpela-nos com a sua mais recente obra: "Like a Bird".


(Joana Antunes, "Like a bird")

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10208970210912515&set=a.1123797575158.2018746.1233671008&type=3&theater


Nelly Furtado - "I'm Like A Bird"



"I'm Like a Bird
Nelly Furtado

You're beautiful and that's for sure
You'll never ever fade
Your lovely, but it's not for sure
And I won't ever change
And though my love is rare
And though my love is true
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby all I need for you to know is
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And I need for you to know
Is your faith in me brings me to tears
Even after all these years
And it pains me so much to tell
That you don't know me that well
And though my love is rare
And though my love is true
I'm like a bird
I'll only fly away
I don't know where my soul is (Soul is)
I don't know where my home is
And baby…"

Amarante Poesia - No dia Mundial da Poesia, um Poema a uma fonte da Casa de Pascoaes que secou, onde Teixeira de Pascoaes personaliza na mesma, muita da sua inquietação interior...


(A fonte dos Golfinhos)


(A Fonte do Silêncio)


(A fonte da Carranca)


"A uma fonte que secou

Com teus brandos murmúrios embalaste
O decorrer dos meus primeiros dias.
E pelos teus gemidos os contaste;
Eu era então feliz e tu sofrias.
As minhas velhas árvores regaste,
O meu jardim de Abril reverdecias
E, quando as tuas lágrimas choraste,
Como a dor que hoje sofro, entenderias!
Mas, ai, tudo mudou! Longa estiagem
Bebeu, a arder em febre, as tuas águas;
Versos de água cantando a minha imagem.
Raios de sol que as fontes evaporam,
Levando para Deus as suas máguas,
Secai também os olhos dos que choram!"

(in Terra Proibida, Teixeira de Pascoeas)

F.C. do Porto Natação - Portista Ana Rita Faria foi a nadadora com melhor performance nos 200 metros livres.



«NATAÇÃO: DOMÍNIO PORTISTA NOS CAMPEONATOS REGIONAIS

Portista Ana Rita Faria foi a nadadora com melhor performance nos 200 metros livres.

Com 93 medalhas - 50 das quais de ouro, 25 de prata e 18 de bronze -, a equipa de natação do FC Porto foi a que obteve melhor performance nos Campeonatos Regionais, que se realizaram no passado fim de semana na Piscina Municipal da Póvoa de Varzim.

Numa prova em que participaram 370 nadadores em representação de 21 clubes, a portista Ana Rita Faria (na foto) foi a nadadora que alcançou o melhor desempenho nos 200 metros livres, com 2.06,87 (706 pontos).

O FC Porto bateu ainda três novos recordes regionais de juniores, através das suas estafetas femininas de 4x50 livres (Isabel Pego, Beatriz Silva, Bárbara Magalhães e Ana Faria) com 1.52,50, 4x100 livres (Ana Faria, Maria Francisca Cabral, Beatriz Silva e Maria Carolina Costa) com 4.05,66 e 4x200 livres (Isabel Pego, Beatriz Silva, Maria Carolina Costa e Ana Faria) com 8.53,56.

Os Dragões vão agora preparar os Campeonatos Nacionais, agendados para o final deste mês de março nas Piscinas Olímpicas de Coimbra.» in http://www.fcporto.pt/pt/noticias/Pages/natacao-camp-regionais-1aj-180317.aspx
Pin It button on image hover